MOSAICOS DE UMA VIDA

Juntando cada peça forma-se o mosaico de minha vida. Tantos sentimentos me envolvem. Sentimentos ruins, outros bons. Saudade de quem se foi para eternidade. Saudade de quem posso ligar para ouvir a voz. Tristeza pelas metas não cumpridas e alegria pelos objetivos alcançados. Gemidos de dor, outros de prazer.

24 de dez de 2015

Equilíbrio Emocional

Em outro texto, no qual falo sobre inteligência emocional, afirmei minha busca pelo autoconhecimento emocional. Equilibrar as emoções depende muito desse autoconhecimento.

Ontem assisti a entrevista de o turista paranaense Márcio de Castro Palma da Silva que foi atacado por um tubarão em Fernando de Noronha. Grande foi minha admiração ao ouvi-lo falar com tanto equilíbrio e tranquilidade.

Segundo o psicólogo, Cesar Ribeiro: “O equilíbrio emocional é um estado obtido pelo refinamento da influência emocional pela razão no comportamento humano. A emoção alimenta a razão e essa refina a sua manifestação”.

Gerenciar as emoções tem a ver com o crescimento pessoal; não é tarefa fácil, mas essencial para evitar o agir no automático. Vale salientar que equilibrar-se emocionalmente não significa ser apático, insensível, passivo... Esses, inclusive, são necessários e normais. Seria humanamente impossível não senti-los diante das inúmeras situações que vivemos.


Por isso, não poderia concluir esse texto com a explicação da psicóloga Tania Theodoro: “Quem está equilibrado emocionalmente é capaz de se indignar com algo ultrajante, mas ao mesmo tempo é capaz de se defender quando é desrespeitado, assim como é capaz de ser generoso, ficar feliz, triste e usar o medo como um mecanismo de defesa e não negá-lo. O importante é entrar e sair de cena no momento certo”. 

13 de dez de 2015

5º dia - Acalanto

Escrito em 19/06/2012
Acordei na certeza que hoje seria nossa despedida. Você não quis ir, mas eu quero que você vá.
Os carinhos na barriga foram substituídos por pancadas. Perdão filho/a. Sei que esmurrar minha barriga não te machucou. Machuquei a mim, mas eu já nem me importo mais com as dores físicas. Isso porque as dores emocionais se superam.
Eu não aguentarei mais nenhum dia. Hoje termino com uma música de ninar.
Amanhã bem cedinho estaremos no hospital.Vão nos separar...

Música - Acalanto

É tão tarde
A manhã já vem
Todos dormem
A noite também
Só eu velo
Por você, meu bem
Dorme anjo
O boi pega Neném

Lá no céu
Deixam de cantar
Os anjinhos
Foram se deitar
Mamãezinha
Precisa descansar
Dorme, anjo
Papai vai lhe ninar
"Boi, boi, boi,
Boi da cara preta
Pega essa menina
Que tem medo de careta"

4º dia - Quando eu olho para o mar

Escrito em 18/06/2012
Quarto dia. Não foi sonho. É um pesadelo real.
Eu perdi meu bebê. Isso já é o bastante para me fazer sofrer.
No entanto, o todo poderoso quer que eu sofra mais. E mais um dia continuamos juntos. Você sem vida. E eu perdendo a minha. Não tenho mais forças, mas tenho lágrimas. Só que isso não basta para que você vá.
E o que queres de mim, filho/a?
E o que queres de mim, Deus?
Talvez eu precisasse engolir o choro; e chorar por dentro para que em minhas lágrimas você escoasse e me deixasse de vez. Ou não.
E a música para esse quarto dia é “Quando eu olho para o mar”

Música - Quando eu olho para o mar
link -   https://letras.mus.br/alceu-valenca/188465/

Quando eu olho para o mar
Dentro do mar vejo um rio
Quando eu olho para o rio
Dentro do rio vejo a chuva
Quando eu olho para a chuva
É como se olhasse as nuvens
Quando eu olho para as nuvens
É como se olhasse o mar

Quando eu olho para mim
Dentro de mim tem você
Quando eu olho para você
Por dentro sinto saudades
Quando eu olho para a saudade
Meus olhos vão desaguando
E é como um rio passando
Que não corresse pro mar

3º dia - VAI

Escrito em 17/06/2012
Três dias já se passaram e continuamos grudados na matéria. Eu já não tenho mais forças. E começo a fazer algo que nunca pensei que faria. Te peço para ir embora. 
Não insiste em continuar comigo porque já não tem mais jeito.O todo poderoso quis assim.
Agora vai!
E eu ficarei por aqui me lamentando e buscando outras músicas para embalar meu caminhar.
E nesse terceiro dia fica a música de Ana Carolina – VAI!

Música - VAI

Espera aí,
Nem vem com essa história
Eu nem quero ouvir
Não dá pra te esquecer agora
Como assim?
Cê disse que me amava tanto ontem
Eu juro que ouvi

Calma aí!
Que diabo você tá dizendo agora?
Que onda é essa de outro lance pra viver?
Você nem pode tá falando sério
Vivi pra você
Morri pra você

Pois então vai, a porta esteve aberta o tempo todo
Sai! Quem tá lhe segurando? Você sabe voar
Pois então vai, a porta na verdade nem existe, sai
O que está esperando? Você sabe voar

Então tá bom
É, senta e conta logo tudo devagar
Não minta, não me faça suportar
Você caindo nesse abismo enorme
Tão fora de mim

Tá legal
É, e eu faço o quê com a nossa vida genial?
Cê vai viver pra outra vida
E eu fico aqui
Na vida que ficou em minha vida
Tão perto de mim
Tão longe de mim

Pois então vai, a porta esteve aberta o tempo todo
Sai! Quem tá lhe segurando? Você sabe voar

Pois então vai, a porta na verdade nem existe, sai
O que está esperando? Você sabe voar De volta pra mim
De volta pra mim...

Vai, a porta esteve aberta o tempo todo
Sai! Quem tá lhe segurando? Você sabe voar
vai, a porta na verdade nem existe, sai
O que está esperando? Você sabe voar De volta pra mim
De volta pra mim...

2º dia - PRA QUE CHORAR

Escrito em 16/06/2012
Já sei que não adianta chorar. Não adianta gritar. Não adianta me lamentar.
O filho que eu almejei está aqui comigo, permance dentro de mim. Não meche. Não respira. Seu coração não bate, mas permanece aqui dentro de mim. Enquanto isso tento ser uma pessoa forte, mesmo destruída.
Não sei porque ainda precisamos permanecer juntos. 
O que fizemos em vidas passadas?
O que fizemos para merecer?
Pra que chorar se o sol já vai raiar?

Música - PRA QUE CHORAR

Pra que chorar
Se o sol já vai raiar
E o dia vai amanhecer

Pra que sofrer
Se a lua vai nascer
E e só o sol se pôr

Pra que chorar
Se existe amor
A questão é só de dar
A questão é só de dor, de dor

Quem não chorou
Quem não se lastimou
Não pode nunca mais dizer

Pra que chorar, pra que sofrer
Se há sempre um novo amor
Cada novo amanhecer

1º dia - GRITO DE ALERTA

Escrito em 15/06/2012
A música grito de alerta retrata uma relação homoafetiva; fala de um sentimento regado de mel e de fel. É um conto dramático de quem pede socorro, de quem está sufocado e precisa desafogar para não sufocar, mesmo que seja através de um grito, um grito de alerta.
E foi para desafogar que eu gritei. Gritei alto, bem alto, mas ninguém me ouviu porque eu abafei meu grito no travesseiro. Foi meu grito de alerta. Foi um alerta para mim mesma. Eu não podia mais guardar tanta dor.
Meu texto não é homoafetivo. Escrevi para meu filho que perdi. Enquanto escrevo ele está aqui dentro de mim. Sem vida. E eu preciso gritar.
Ou escrever!

Música - GRITO DE ALERTA 

Primeiro você me azucrina, me entorta a cabeça
Me bota na boca um gosto amargo de fel
Depois vem chorando desculpas, assim meio pedindo
Querendo ganhar um bocado de mel
Não vê que então eu me rasgo
Engasgo, engulo, reflito, estendo a mão
E assim nossa vida é um rio secando
As pedras cortando, e eu vou perguntando: até quando?
São tantas coisinhas miúdas, roendo, comendo
Arrasando aos poucos o nosso ideal
São frases perdidas num mundo de gritos e gestos

Num jogo de culpa que faz tanto mal
Não quero a razão pois eu sei o quanto estou errada
O quanto já fiz destruir
Só sinto no ar o momento em que o copo está cheio
E que já não dá mais pra engolir

* Veja bem, nosso caso é uma porta entreaberta
Eu busquei a palavra mais certa
Vê se entende o meu grito de alerta
Veja bem, é o amor agitando meu coração
Há um lado carente dizendo que sim
E essa vida da gente gritando que não