MOSAICOS DE UMA VIDA

Juntando cada peça forma-se o mosaico de minha vida. Tantos sentimentos me envolvem. Sentimentos ruins, outros bons. Saudade de quem se foi para eternidade. Saudade de quem posso ligar para ouvir a voz. Tristeza pelas metas não cumpridas e alegria pelos objetivos alcançados. Gemidos de dor, outros de prazer.

22 de mar de 2011

SETE significa...

Juntos sorrimos e divertimos uns aos outros. Uns mais palhaços, outros mais bobos para rir. Somos em número de sete. Para a numerologia é o número da sorte; o matemático Pitágoras afirmou que é um número poderoso; para os que crêem na bíblia sete significa o número da perfeição. Além das curiosidades: sete são as notas musicais e os sacramentos bíblicos, sete são os anões da Branca de Neve e os dias da semana; sete são os pecados capitais, mas também as virtudes.

Quando éramos crianças, uma varicela, caxumba, crise de garganta ou mesmo um simples resfriado significava multiplicar por sete os cuidados maternos.

Nossas brigas logo se resolviam, mesmo que para isso fosse preciso pedir desculpas e nos abraçar sob pena de levar umas palmadas.

Se alguém procurasse briga com algum de nós as coisas mudavam; éramos uma só pessoa, ou seja, sete por um. Dessa forma bêbado safado apanha de cabo de vassoura, tarado de ônibus leva uns corretivos e assim protegemos uns aos outros (em outro momento contarei um desses episódios).

Hoje se um adoece todas as atenções são voltadas para ele/a. Uma entrevista de emprego, uma prova de concurso ou vestibular resulta em ansiedade multiplicada por sete. Um resultado positivo é certeza de alegria para cada um de nós. Torcemos uns pelos outros e nos alegramos com cada conquista.


Hoje estamos ente os 30 e 40 anos, mas quando estamos juntos voltamos a ser crianças. Rimos pelo passado, gargalhamos ao imaginar o futuro e nos divertimos demais com o presente porque acima de tudo somos irmãos e para nossos pais sete significa: Sandra, Fafá, Fabinho, Cris, Bele, Iris e Júnior.



9 de mar de 2011

Amigo


http://donamocinhadobrasil.blogspot.com.br/

Amigo, escrevo apenas para matar a saudade. Sinto saudade dos velhos tempos quando tudo começou e ainda éramos adolescentes. Você por muitos anos foi uma grande companhia. As nossas conversas inocentes e agradáveis faziam com que o tempo passasse depressa. Só me dava conta que estávamos ali há várias horas quando meu bumbum ficava dormente. Algumas músicas daquela época me lembram você. Essa por exemplo é a tua cara: “não, não chores mais. Menina, não chore assim. Não, não chores mais.”

E o tempo continuou passando tão depressa. O meu amigo, como todo jovem rapaz, começou a namorar e me falava das suas conquistas. Às vezes falava de uma coroa, outras vezes da menina da escola ou da amiga de sala de aula. Enfim, várias delas eram citadas pra mim; não como troféu, mas apenas para saber minha opinião. 

Nessa sua fase de namorador senti falta do meu amigo. Sentava na calçada sozinha e ali ficava vendo o tempo passar lentamente. Você ainda dava uma passadinha rápida, todo arrumado e perfumado para que eu opinasse sobre seu visual.

Nossa amizade era tão intensa ao ponto de muitas pessoas acharem que namorávamos ou ao menos éramos apaixonados um pelo outro. Ninguém acreditava que poderia existir amizade entre homem e mulher. O tempo continuou a passar e nós dois tomamos rumos diferentes. Trabalho, estudo, casamento, ciúmes, filhos ou sonho de tê-los, mudamos de bairro e até de cidade. Nada disso foi suficiente para acabar nossa amizade. Continuamos sintonizados de tal forma que se um chora o outro sonha, se um sonha o outro liga.

Já tentei definir nossa relação, mas não encontro palavras adequadas. Creio que nosso sentimento é fraternal, embora não consiga te ver como irmão. E nem adianta o povo dizer que é carnal porque também não consigo te ver como homem. Minha única certeza é de que você é meu amigo quase 25 anos depois tu continuas muito presente aqui dentro de mim.

8 de mar de 2011

Dia da Mulher - 2011 (por Adauto Júnior)


Ela é assim mesmo.
Choro sem motivo, motivo pra chorar.
Vou embora a pedido, mas o pedido é para que eu fique.
Sofre, brinca, sofre e fica muito feliz no mesmo momento. Segurança e meninice simultaneamente na mesma vontade. Minha atenção fica na cabeceira da cama para ela ajustar o alarme no horário que ela quiser.
Se falta pilha eu sou o culpado. Se a pilha não falta ela não diz nada. Nem precisa.
Ela se cobre com o meu carinho e dorme tranquila.
No outro dia ela também pode vestir meu carinho e passar o dia com ele.
Minha compreensão fica comigo, é o meu amuleto, preciso entender o choro sem motivo, o motivo pra chorar, o pedido para eu ir embora, mas que é para eu ficar...
Ruim mesmo é quando esqueço meu amuleto. Ela é até capaz de quebrar a minha atenção... 
Eita, despertou.