MOSAICOS DE UMA VIDA

Juntando cada peça forma-se o mosaico de minha vida. Tantos sentimentos me envolvem. Sentimentos ruins, outros bons. Saudade de quem se foi para eternidade. Saudade de quem posso ligar para ouvir a voz. Tristeza pelas metas não cumpridas e alegria pelos objetivos alcançados. Gemidos de dor, outros de prazer.

29 de dez de 2006

Violência Contra a Mulher 2

Segundo o Fórum de Mulheres de Pernambuco chegou a 300 o número de mulheres assassinadas no Estado no ano de 2006. O que me angustia é não poder encontrar uma solução, não encontrar uma explicação. É ver as estatísticas aumentarem todos os dias e não saber se alguma coisa está sendo feita. Há quem diga que esses crimes estão relacionados com o aumento da participação das mulheres no tráfico de drogas. Mas, o percentual para esse tipo de crime é de aproximadamente 13%, enquanto os crimes passionais chegam a quase 49%. Este é o preço que as mulheres vêm pagando por mudar seu perfil, exigindo seus direitos, deixando de ser figura privada e passando a ser pública causando mudanças nas relações sociais e profissionais, particularmente no que se refere ao poder que os homens pensam ter em relação ao sexo oposto e não frágil. Cabe agora ao Estado mudar seu perfil, mostrar maior autonomia e concretizar ações que revertam tais estatísticas. 

Publicado em 13.12.2006 - Jornal do Commercio - http://jc3.uol.com.br/jornal/2006/12/13/not_212351.php

28 de dez de 2006

Feliz Ano Novo - 2006/2007 Por Adauto Júnior

Olha só, não dá para acreditar nos fogos do reveillon. Quando eles acabam de explodir, tudo continua na mesma. No lugar de pedir, planeje. Construa seu objetivo a partir de agora, não espere por nada, não pense que é mágica. Se você não correr atrás não vai ter lentilha que dê jeito. Escolhemos justamente o dia 31 e bem na hora dos fogos para pensar na vida. É pedido que não acaba mais. No lugar de pedir, porque não comemorar os resultados? Os resultados só chegam se você planejar antes, bem antes. O desafio está lançado: vamos pensar nas nossas vidas e estabelecer metas agora, já! No dia 31, quando os fogos estiverem explodindo, você agradece, beija o amor, abraça os amigos, pula quantas ondas quiser, devora todos os pratos com lentilha. Curta, mas pense nisso como uma diversão mesmo, depois estabeleça um compromisso com os pés no chão. Portanto, desejo que os fogos para 2008 sejam a comemoração das suas vitórias planejadas em 2006. 
Adauto Júnior
Dez/2006

19 de set de 2006

AIDS - 25 anos em 2006

A descoberta da aids está completando 25 anos. As pesquisas em busca da cura continuam enquanto a doença se alastra mundo afora. O que antes era , para muitos, uma doença de homossexuais, hoje é mostrada nas estatísticas como uma doença que já atingiu mais de 60 milhões de pessoas no mundo, entre elas, mulheres e crianças. A liberdade sexual se transformou em prisão. Prisão perpétua enquanto não for descoberta a tal cura. O soropositivo convive em seu mundo único com remédios, esperança, medo, depressão, efeitos colaterais e ainda tem que enfrentar uma sociedade preconceituosa. Está mais do que na hora de abrirmos os olhos para a realidade. A aids está aí e os meios de prevenção também

Publicado em 13.09.2006 - Jornal do Commercio - http://jc3.uol.com.br/jornal/2006/09/13/not_200521.php

26 de jun de 2006

Repercussão acerca do texto Sintonia

Carta 1
Li a carta Sintonia de Fátima Barbosa. A autora descreveu a confraternização súbita que surge neste período de Copa e fez uma analogia entre futebol e sociedade. A paráfrase foi perfeita, ela sugeriu que o comportamento de organização, disciplina, harmonia e trabalho em grupo dos jogadores regessem o dia-a-dia das pessoas. Que bom seria, Fátima, se os goleiros, como você disse, tivessem o poder de nos defender do mal. Pelo contrário, o mal dribla o bom senso, encontra uma defesa frágil e lenta, invade a nossa área em impedimento e sai vitorioso. Mesmo sem reclamar, a gente leva cartão vermelho. O vermelho da violência, impunidade, descaso, preconceito, o vermelho do discurso bonito e persuasivo que depois nos decepciona. Este campeonato o povo perde de goleada. Mas o jogo pode virar. Basta escolher o técnico e comissão técnica competente para liderar esse time.
Adauto Júnior - Recife - adautojr@a2dcomunicacao.com

Carta2
O mundo todo vibra com o maior espetáculo da terra. O futebol, segundo os bem intencionados, exemplo Fátima Barbosa, na Seção de Cartas desse JC, que em síntese diz, haja vista a união das nações, vibrando com as suas representações futebolísticas, o ideal seria " que o jogo da vida fosse um jogo de uma torcida só, que todos cantassem uma só canção, que fizesse apologia à paz universal". Acontece que, ali mesmo, predomina uma guerra empresarial entre a Puma, Adida e Nike que investem fortunas para divulgar e associar os seus artigos à imagem do futebol, o esporte mais popular do mundo. Só a CBF recebe por ano US$12 milhões. A Nike tem contrato com os astros brasileiros Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho. Portanto, quem escala Ronaldo não é Parreiras: é a Nike. Temos mesmo que agüentar o "fenômeno", totalmente fora de forma.
Paulo Montezuma -Boa Viagem - p.montez@ig.com.br 

Publicado em 23.06.2006 - Jornal do Commercio - http://jc3.uol.com.br/jornal/2006/06/23/not_189798.php 

16 de jun de 2006

Sintonia

Durante a Copa do Mundo percebo o grande número de pessoas vestidas com as cores verde e amarela. Ruas enfeitadas, lojas, bancos, hospitais. Todos numa sintonia admirável. Em todos os lugares, nas ruas, no ambiente de trabalho e nos meios de comunicação, o assunto é Copa do Mundo. Nessa época há um espírito de confraternização e a disputa é saudável. Nações se unem com o mesmo propósito. Pessoas pintadas, enfeitadas com as cores da pátria, fazem um show à parte. Que bom seria se fosse sempre assim e que essa união fosse em prol da paz, pela erradicação da miséria, pelo fim do preconceito racial e da intolerância religiosa. Que bom seria se os técnicos fossem nossos orientadores, mostrando o melhor caminho para os acertos. Que os goleiros impedissem a entrada de todo mal que pudesse cessar a tranqüilidade das nações. Que bom seria se os juízes expulsassem quem não estivesse de acordo com tal união. Que todos os jogadores, independentes de posição e de time, nos dessem exemplos de como trabalhar em equipe. Que as pessoas seguissem tal exemplo no dia-a-dia. E que o jogo da vida fosse um jogo de uma torcida só. Um hino universal em que todos, nos mais variados idiomas, cantassem uma só canção que fizesse apologia à paz universal e no final da partida todas as nações juntas gritassem gooooool! 

 

Publicado em 16.06.2006 - Jornal do Commercio - http://jc3.uol.com.br/jornal/2006/06/16/not_188814.php

20 de abr de 2006

VIOLÊNCIA CONTRA MULHER 1

Foi lamentável saber que o Grande Recife atingiu a marca de 100 mulheres assassinadas só este ano. Sabemos que a violência contra o sexo feminino é um fato. Faz-se necessário primeiro saber a definição do que vem a ser violência contra a mulher. Segundo as Nações Unidas, “violência contra a mulher é qualquer ato de violência baseado na diferença de gênero, que resulte em sofrimentos e danos físicos, sexuais e psicológicos inclusive ameaças, coerção e privação da liberdade, seja na vida pública ou privada”

Não basta apenas esperar acontecer para depois punir os culpados. É imprescindível trabalhar as questões de gênero, reestruturando e educando a sociedade em busca da equidade, possibilitando às mulheres serem vistas como pensantes, figura pública e não privada, polivalente, uma vez que é mãe, é pai, é esposa, é dona de casa, além de conquistar seu espaço no mercado de trabalho. Torço para que mais mulheres tenham coragem de denunciar seus agressores e que a justiça contra estes seja feita. Torço também para que mais mulheres se insiram no mercado de trabalho, que ocupem os espaços públicos, que cheguem ao poder, que nos representem na Câmara, no Senado, fortalecendo a capacidade de pressão política e aumentando o debate nos meios de comunicação. 

Texto publicado na seção Cartas do Jornal do Commercio em 20 de Abril de 2006

9 de mar de 2006

O homem nasce bom ! ? ! ?

Consta na Declaração Universal dos Direitos Humanos que todo indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal e que ninguém será submetido à tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes, além de tantos outros direitos. Enquanto a Constituição Federal estabelece que a segurança pública é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos. E para Polícia Militar cabe executar o policiamento preventivo, garantindo a segurança pública. Podemos observar que leis existem. O que não existe é o exercício delas. Já disse Rousseau: “O homem nasce bom, mas a sociedade o corrompe”. Será mesmo? Será que o homem é bom por natureza? Será que os policiais que cometeram aquele crime hediondo no Carnaval do Recife já foram bons um dia e que tamanha perversão é atribuição da sociedade? Baixo salário. Condições de trabalho precárias. Quantos brasileiros vivem nessa situação? Imaginem se tais condições fossem motivos para torturar, espancar, matar. Sabemos o quão difícil é viver em sociedade, uma vez que “cada cabeça é um mundo”. Mas, pelo que entendo, o homem se torna humano através de suas relações sociais. É contraditório, neste caso, quando avaliamos nossa polícia. Está na hora de revermos as atribuições do Estado, particularmente no que se refere à segurança pública.

Publicado em 09.03.2006 - Jornal do Commercio - http://jc3.uol.com.br/jornal/2006/03/09/not_175319.php

8 de mar de 2006

Dia da Mulher - 2006 (por Adauto Júnior)


Olhando você assim daqui, da condição de homem, dá pra perceber quanta força sai deste corpo: a do trabalho, do carinho, da beleza, força para suportar a dor mensal, a do filho que nasce, a da formosura, a da simplicidade de um vestido, a da sutileza no olhar, a de desviar o olhar quando, na condição de homem, admiro o vestido. A força de ter segredos... Como eu queria saber pelo menos um desses segredos... Porém, não quero saber, só quero sentir esta força. Uma força na qual percebo o toque de Deus e que, na condição de homem, percebo o quanto sou fraco. Não consigo nem mesmo admirar você, mulher, sem ser notado. Não consigo guardar segredo, tenho que dizer, não só neste dia, que o importante pra quem está na condição de homem é ter a oportunidade de um dia a mais para observar esta simplicidade soberana feminina. Além de forte você é linda. O Dia Internacional acontece a cada despertar seu.