MOSAICOS DE UMA VIDA

Juntando cada peça forma-se o mosaico de minha vida. Tantos sentimentos me envolvem. Sentimentos ruins, outros bons. Saudade de quem se foi para eternidade. Saudade de quem posso ligar para ouvir a voz. Tristeza pelas metas não cumpridas e alegria pelos objetivos alcançados. Gemidos de dor, outros de prazer.

15 de dez de 2014

Compreensão de si mesmo

Uma das prudências citadas por Baltasar Gracián em seu livro A Arte da Prudência refere-se à ‘Compreensão de si mesmo’. Em síntese tal prudência afirma que para dominar-se é preciso autoconhecimento.

Bom seria se existisse um espelho que refletisse a imagem interior. Nele seria revelado o próprio caráter, o talento, o discernimento e emoções. 

Conhecer-se para lapidar o que fosse necessário. Compreender a si mesmo, para refletir e corrigir. Tornar mais belo o “eu interior”. Isso é prudência.

26 de nov de 2014

"In-perfeita"

http://dminperfeitas.blogspot.com.br/
Meu texto hoje vai para uma pessoa especialmente "In-perfeita". Ela é para mim um exemplo de superação, porque faz das barreiras seu trampolim para o sucesso.

Quando estou para baixa, triste e chorosa, eis que chega ela em sua cadeira de rodas, linda, feliz e com suas pérolas que me fazem sorrir.  É assim, sem perceber, que ela cuida de mim.

Para retribuir eu também tentarei cuidar de você, Wi

Feliz Aniversário e MUITOS anos de vida!

11 de nov de 2014

Saudade

SAUDADE – palavra usada para definir a falta que sentimos de algo ou alguém. Ela é genuinamente da língua portuguesa, mas o sentimento é universal.

Sabendo disso, perguntei ao amigo Wilke Torres, índio Fulni-ô, como definir esse sentimento na língua Ia-tê. Ele não definiu com uma palavra e sim com a frase AWÊ’TKE YFODOWÁ, que significa ‘eu sinto falta de você’.

Aprendi  também dizer saudade em LIBRAS; o sinal expressa exatamente esse sentimento de aperto no peito.

Quanto a mim...

Sinto saudade de tantas coisas: saudade de lugares. Saudade de pessoas. Saudade de época. Saudade de cheiro. Saudade de comida e até saudade de mim. Principalmente saudade de mim. (o vídeo abaixo, interpretado por Carla Medeiros, refere-se ao último parágrafo desse texto).

video

Wilke e Carla, obrigada pela colaboração!

4 de nov de 2014

Kita foi pra festa!

“Cumpriu sua sentença. Encontrou-se com o único mal irremediável, aquilo que é a marca do nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo o que é vivo, morre”.

Eu escolhi começar esse texto com uma frase do filme O Alto da Compadecida de Ariano Suassuna, e assim tornar esse escrito mais “leve” e menos triste.

Kita cumpriu sua sentença e encontrou com o único mal irremediável. Mal para nós que ficamos, porque para ela eu quero acreditar que foi bom.

Era a filha, sobrinha, irmã, prima, tia mais velha. Esse posto rendeu os carinhos e cuidados de mãe que ela dedicava aos mais novos/as.

Ela era vaidosa e isso a permitia se arrumar e se maquiar como se fosse para algum evento. Fato que reunia as crianças em sua volta, cantando num só coro Kita vai pra festa! Kita vai pra festa!

Ela era sonhadora e me fazia acreditar que o casal do quadro ao lado era ela e seu príncipe encantado no cavalo.

Foi ela que, com maestria, tentou me consolar quando perdi meu BB, porque sabia com propriedade o que eu sentia.

Assim como ela, eu também quero ser sonhadora, fazendo-me acreditar que ela partiu para um grande evento no céu. Kita foi pra festa! Kita foi pra festa! 

12 de out de 2014

MosaicoTerapia: a arte imitando a vida

Porta Guardanapo em Mosaico (em construção)
Dedicar meu tempo ao MosaicoTerapia permite-me "metaforizar" a arte com a vida real.

As peças que não se encaixam, o sangue do dedo cortado, a dor que não é suficiente pra me fazer desistir, a solidariedade de quem só quer ajudar montar o quebra-cabeça. Ainda tem o pingo da cola querendo ser lágrima; e a busca da peça perfeita nessa vida imperfeita.

4 de out de 2014

Trabalho significa ...

Lendo sobre sociologia do trabalho me deparei com a origem dessa palavra derivada do latim tripaliare e que significa torturar. Por outro lado, Karl Marx via o trabalho como uma ação exclusivamente humana.

“Oxente”, torturar não é desumano?

A sociologia  diz que trabalho humano precisa ser justo, digno e reconhecido.  Ou seja, salário quantitativamente justo, dignidade no que se refere às boas condições de trabalho e reconhecimento no sentido de valorizar o/a trabalhador/a. É disso que ele/a necessita.

Para a psicologia, a falta de equilíbrio entre às exigências do trabalho e às necessidades do/a trabalhador/a pode trazer repercussões mais ou menos acentuadas sobre a saúde mental.

Vamos ligar o alerta para evitar tal desequilíbrio e entender as estratégias para fugir das “doenças do trabalho”.

Inteligência Emocional

Buscando entender a diferença entre tristeza profunda e depressão, eu fui apresentada ao termo “inteligência emocional” e passei a praticá-la.

Tal inteligência está dividida em duas partes: interpessoal e intrapessoal. É desta última que eu quero falar neste texto, pois se trata de habilidades que pratico com o intuito de fugir dos sentimentos que ainda me confundem.

Para tanto, primeiramente busco o autoconhecimento emocional, reconhecendo cada sentimento, sua origem, o caminho que me fez chegar ali...

A segunda etapa eu considero a mais difícil, que é o controle emocional. Nesta etapa é preciso ter habilidade para viver e conviver com o sentimento que machuca, dói, faz sofrer e chorar; é preciso encontrar a rota de fuga...

Depois vem a automotivação; essa etapa pode ser traduzida com a letra da música: “Reconhece a queda e não desanima; levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”.

19 de ago de 2014

Os Esquecidos

Filme Os Esquecidos
Um dia desses vi um filme intitulado OS ESQUECIDOS, cuja sinopse discorre sobre uma mulher atormentada com a morte do seu filho em um acidente aéreo. Um ano depois do acidente, um psiquiatra diz que seu filho nunca existiu e que ela inventou todas as lembranças que possui em relação a ele. Amigos e familiares repetem a mesma afirmação do psiquiatra. Acreditando estar enlouquecendo, a mulher passa a buscar provas da existência do filho, como fotos e vídeos, mas tudo desaparece. Até que ela reencontra o pai de outra criança que também foi vítima do acidente. Juntos eles tentam provar que as crianças existiram.

Na verdade o filme trata de um experimento extraterrestre com mães e pais, a fim de testar em quanto tempo eles esquecem que seus filhos existiram. Para tanto as crianças são abduzidas e as pessoas do seu convívio sofrem um bloqueio mental.

Para mim foi inevitável não metaforizar a estória, tendo como contexto a minha história. Tudo isso porque sei da existência do amor incondicional sentida de mãe para filho; sei também que não existe aparelho de medição desse sentimento, assim como não existe tempo que faça esquecer um filho, mesmo quando ele/a nunca tenha existindo para além do seu útero.

Cinematograficamente falando, confesso que nem consigo avaliar o filme. Psicologicamente falando, acredito ser natural que todas as outras pessoas esqueçam, mas é o vínculo afetivo materno que nos impede esquecer e determina de que forma a perda de um filho será interiorizada.

Ah! Ficou curioso/a para saber o final do filme? Assista! rsrsrs




10 de ago de 2014

Tríade: sintonia, companheirismo e bom humor!

Viajar é tão bom. Seja a passeio ou a trabalho, o que importa é sair da rotina.
Toda viagem pra mim começa no planejar. Algumas coisas acontecem conforme planejamos, outras vêm como improviso e surpresas. Umas boas e outras nem tanto, mas foi para falar de coisas boas que comecei escrever esse texto.

A companhia é fator fundamental. É preciso sintonia, companheirismo e bom humor. Quando fiz o Caminho de Santiago de Compostela, encontrei todas essas características na minha irmã, Sandra.

E na última viagem que fiz (dessa vez a trabalho) fui com uma parceira muito show. Sintonizadas, a gente sabia o papel de cada uma. O pensamento de uma era completado com a atuação da outra. Surpresas surgiram e improvisos foram necessários. Ao final o sentimento de dever cumprido só foi possível porque não nos faltou a tríade: sintonia, companheirismo e bom humor!

Ah! Simone, desliga a TV antes de dormir rsrsrsrsr

Santa Maria da Boa Vista/PE
Foto: Seu Jorge, o motorista que tornou a viagem mais engraçada!



Diferença entre Tristeza e Depressão - 2

Há alguns meses escrevi um texto que trata sobre a diferença entre tristeza e depressão. Mais precisamente a tristeza profunda. O que escrevi partiu de conversas com amigas psicólogas, bem como conversa formal em atendimento psicológico. Li e continuo lendo muito sobre o tema, que há tempo vem me inquietando para entendê-lo melhor.

Nessa busca pelo desconhecido me deparei com a diferença entre as “emoções naturais” e as “emoções substitutas”. O sentimento de tristeza é exemplo de emoção natural. A falta de compreensão ou aceitação da primeira emoção gera as emoções substitutas.

Em síntese a tristeza, quando não aceita ou compreendida, pode provocar os sentimentos de solidão, angústia, desânimo, e até depressão. Vale salientar que as emoções variam de individuo para individuo.


Considerando que tristeza e alegria são sentimentos extremos e emoções naturais, eu continuarei chorando quando a tristeza me sufocar, porque para a alegria só me resta gargalhar. 

9 de ago de 2014

Quem eu vou presentear?

Como já falei em outros textos, o mosaico tem sido pra mim uma terapia, uma válvula de escape nas fases que me sufocam. Naturalizei a arte como técnica que faz “organizar as ideias”, me faz renovar, inovar, desabafar, aliviar...
Quebro as pedras, monto e desmonto, colo e descolo, corrijo tentando fazer o melhor. Que bom seria se na vida fosse tão simples assim. Tantas coisas eu iria quebrar, montar, fazer, corrigir, criar e recriar.

Ao final, já com a peça pronta vem um sentimento de dever cumprido, ou quase isso. Porque geralmente fico a pensar:  dessa vez quem eu vou presentear?

6 de jun de 2014

Não largaria minha fofolete

Nostalgicamente vou lembrando a infância; época em que me preocupava apenas em escolher a brincadeira da vez.  Medo e anseios nem existiam, e se existiam passavam por despercebidos.

Se eu imaginasse os medos, anseios e decepções que carregaria no futuro, teria aproveitado mais, brincando mais, corrido mais, sorrido mais; curtiria aquela rua de terra batida por onde passava o moço do doce japonês. Se eu soubesse (e pudesse)... Eternizaria minha infância e não largaria minha fofolete. 

24 de abr de 2014

Mudei, Cresci e Chorei!

Eu mudei quando aprendi a chorar
Quando percebi que não sou tão insensível quanto pensava
E quando passei a sentir saudade de mim

Eu cresci quando aprendi a falar de mim
Quando percebi que nem sempre será feita a minha vontade
E quando passei a entender que sou frágil e ao mesmo tempo forte

Eu chorei quando mudei
Chorei quando cresci
E enquanto escrevi 

13 de abr de 2014

Pelo retrovisor... olhares se cruzam!


Pelo retrovisor eu vejo a vida passar.
Passa rápido! Passa devagar!
Passam cores, o velho, o belo...
Enxugo as lágrimas, continuo a olhar.
No retrovisor o olhar fica. Não passa e mira.
Olhares se cruzam e ficam a encarar.

Wivian, só os fortes entenderão!

12 de abr de 2014

A região pélvica é mística!

Certo dia, em meio às cólicas, comentei com umas amigas que a região pélvica é mística. Elas riram aguardando meus argumentos. Apenas respondi que dessa região vem gemidos de dor, mas também de prazer.

Conviver com várias mulheres, sobretudo no ambiente de trabalho, tem uma particularidade que só nós mulheres entenderemos. Afinal, mensalmente compartilhamos os gemidos de dor; quando se inicia o período de TPM surgem ideias utópicas de solução para esse mal e logo vêm as trocas dos famosos “atroveran, ponstan e Cia”.

Passada essa fase tudo vira festa. A mulherada começa a apimentar as conversas em sinal de que a região pélvica misticamente deixou de provocar gemidos de dor para abrir espaço aos gemidos de prazer.

Porém, é preciso autoconhecimento a fim de potencializar as possibilidades de prazer e diminuir os momentos de dor. Existem exercícios que auxiliam no fortalecimento dessa região, melhorando a musculatura, reduzindo e/ou prevenindo problemas pélvicos (inclusive as dores) e aumentando a satisfação sexual.


 E viva a região pélvica!!



Leiam mais sobre Pompoarismo em http://bemstar.globo.com/index.php?modulo=fitnews_mat&url_id=3643           


10 de abr de 2014

E mais uma vez chorei!

A ferida ainda não cicatrizou. Ainda dói.
Tem dias que ela parece maior... Ou menor.
Ta sarando, mas ainda dói.
Os porquês permanecem, me fazendo questionar onde foi que tropecei.
Pergunto-me qual o passo em falso eu dei.
As respostas? Não sei!
E mais uma vez chorei!

26 de mar de 2014

Diferença entre Tristeza e Depressão

Há algum tempo venho buscando respostas para meus questionamentos em relação à diferença entre tristeza e depressão. Uma das minhas buscas foi em atendimento psicológico, quando deixei claro minha falta de conhecimento sobre o assunto. Busquei resposta também com algumas amigas psicólogas, além das constantes leituras que fiz acerca do tema.

Em síntese, entendi que a tristeza consiste no ato de elaboração da perda, da desilusão, da decepção... Nesse processo o sentimento de angústia dura pouco tempo. Às vezes dias, outras vezes poucos meses.

Passado esse tempo e permanecendo o sentimento de tristeza, bem como a junção de outros sentimentos, como, por exemplo, a falta de motivação, de prazer, de esperanças (...) é chegada a hora de ligar o alerta para um problema de maior dimensão: a depressão. Os desejos vão e voltam, mas a depressão permanece. As vezes ocultando sentimentos, outras vezes expondo-os.

É preciso conhecer os sintomas da depressão, reconhecê-la como doença, buscar ajuda, lutar contra esse mal que tanto incomoda, atrapalha viver, impede sorrir, ser feliz... 


8 de mar de 2014

Dia da Mulher 2014 - por Adauto Júnior

Texto e Imagem: Adauto Júnior
Aí você contorna o seu rosto todas as manhãs com muita paciência, ou rapidez, mas sempre com precisão. Dentro da mente arquiteta o que vai fazer sob um silêncio que grita absoluto. Parece que o tempo está ao seu favor o tempo todo e dá para fazer tudo o que planejou. É como se você também fosse a dona do que parece passar rápido para os outros. Admiro você, mulher, deu um salto na história e o calçou. E ficou lindo em você. Você enfrenta tudo e a todos mais alta, outra vantagem apenas de você. Os mais íntimos podem vê-la mais baixinha, mais frágil. Mas é um momento pseudo que descansa a sua força. Hoje só quero lembrar de você e imaginar as surpresas que ainda terei. 


11 de jan de 2014

Deus tem facebook?

Várias vezes vi nas redes sociais pessoas desabafando com Deus. E eu fico a pensar o que faz uma pessoa orar, pedindo ou agradecendo a Deus nas redes sociais. Deus não tem facebook, twitter, instagram, etc.

Às vezes são palavras simples, outras vezes são palavras meio desesperadoras. Naturalmente eu questiono: será que essas pessoas querem mesmo falar com Deus ou simplesmente chamar a atenção dos amigos/as?

imagem de internet
Eu sei que cada pessoa publica o que bem entender, e dependendo do caso até me preocupo, pensando de que forma poderia ajudar. Mas lembro que não sou Deus, logo o desabafo não foi pra mim. Melhor ficar na minha e não me meter onde não fui citada.

Levando em consideração que Deus é onipresente, onisciente e onipotente, acredito que Ele vai ler as mensagens nas redes ;)

Boa sorte, pessoas!



9 de jan de 2014

Deus me livre ser feminista ! ?

Recentemente ouvi uma frase que soou estranho aos meus ouvidos, fazendo-me refletir sobre o (pré) conceito sobre o feminismo. Eis a frase:

“Deus me livre ser feminista”

Enquanto o machismo é o uso do poder de um gênero contra o outro, o feminismo é apenas uma luta por igualdade de direitos. As relações de gênero, impostas pela sociedade, colocaram o homem em situação de dominação e a mulher na posição de submissão. Isso se chama machismo. Lutar contra essa diferença chama-se feminismo.

Preferir vestido ou calça comprida, namorar homens ou mulheres, usar cabelos curtos ou longos, casar ou ficar solteira, ter filhos ou optar por não tê-los não faz nenhuma mulher ser feminista ou deixar de ser.

Defender a autonomia das mulheres nas suas escolhas seja no âmbito profissional ou afetivo; discordar que ela deva obediência ao sexo oposto; defender que o respeito entre homens e mulheres deve ser mútuo, bem como os direitos entre eles devem ser iguais faz sim uma mulher ser feminista.

Portanto, Deus me livre NÃO ser feminista!