MOSAICOS DE UMA VIDA

Juntando cada peça forma-se o mosaico de minha vida. Tantos sentimentos me envolvem. Sentimentos ruins, outros bons. Saudade de quem se foi para eternidade. Saudade de quem posso ligar para ouvir a voz. Tristeza pelas metas não cumpridas e alegria pelos objetivos alcançados. Gemidos de dor, outros de prazer.

31 de dez de 2011

Um dia para o outro - Por Adauto Júnior

Lembre que os paradigmas devem dar lugar a outras convicções na hora certa. Os sonhos precisam de ação, o lugar comum deve ser mexido de vez em quando pela inquietação dos seus pensamentos. Pensar faz parte do planejamento. Execute todo pensamento que valha a pena. Depois esqueça, viva. Os melhores projetos precisam de tempo para acontecer. O primeiro dia de 2012 é amanhã, comece a pensar assim todos os dias, você vai perceber que todo ano novo é o resultado das suas atitudes de um dia para o outro,todos os dias sempre. Feliz um dia para o outro.

Adauto Júnior
Dez/2011

3 de dez de 2011

Idade da Loba

Os bordões das idades de tão habituais afastam-se dos seus reais significados. Dei-me conta disso quando lembrei que no próximo ano farei 40 anos, embora alguns acreditem que não cheguei aos 30. Quando a ficha caiu tomei um susto e fiz uma retrospectiva de algumas fases, particularmente no que se refere às “idades mutantes”.

Aos 15 anos me disseram que eu estava “debutando”, ou seja, mudando para uma nova fase, na qual passaria a ser vista como uma moça me preparando pra ser mulher.

Quando cheguei aos meus 25 anos notei quantas diferenças surgiram em 10 anos. O bordão da vez era um tal de “tiro na macaca”. Pelo menos na minha região usa-se a expressão para mulheres que chegaram aos 25 sem ter casado. Em nem ligava para a brincadeira e até brincava dizendo que por mim daria tiro no zoológico inteiro.

Pois bem, mais alguns anos passaram; é chegada a hora da “mulher balzaquiana”: Completei 30 anos! O Borjão originou-se do romance intitulado A Mulher de 30 do Francês Honoré de Balzac que falava sobre a maturidade da mulher ao chegar nesta idade.

Alguns anos passaram, deixei de dar tiro na macaca os 33 anos quando casei. E agora outro bordão bate a porta da minha vida: “A idade da loba”. Usado para as mulheres de 40 anos, surgiu para definir o perfil de uma nova mulher, fruto de lutas feministas e liberação sexual. 

Do primeiro bordão que surgiu na minha vida ao próximo - já está ali no futuro não muito distante – mudanças infinitas podem ser notadas. Fisicamente falando aumentei alguns números de manequim, a mudança mais relevante trata-se do meu EU interior. Meus medos são outros, os anteriores eu já chutei pra longe. Meus anseios ficaram mais sofisticados porque os anteriores praticamente todos foram realizados e se não foram é porque deixaram de ser desejados. 

Enfim, a porta está entreaberta aguardando a Idade da Loba


Ser Lobo ou ser Caça?

Por questões naturais homens e mulheres têm necessidades, desejos, anseios e poder de auto-preservação, mesmo que para defender-se use o poder da destruição, lute, modifique, combata, liberte, torne-se egocêntrico.

Não foi à toa que Thomas Hobbes afirmou que o homem é o lobo do próprio homem. Há quem vá mais além e faça como diz a “Língua” de Caetano Veloso: torna-se o lobo do lobo do homem.

Infelizmente a violência contemporânea só nos mostra o quanto tais frases são verdadeiras. E a nós só resta sermos lobos evitando sermos caça.


1 de dez de 2011

Falha Nossa


De uns meses pra cá comecei a me incomodar com a forma em que as notícias têm sido divulgadas pelos jornais; mais precisamente as versões digitais. Algumas falhas me deixam intrigada quanto à veracidade do fato e ainda mais, me deixam também desconfiada do grau de conhecimento geral do profissional que passa as notícias. Para ser mais clara citarei algumas pérolas que me motivaram a escrever esse texto:

1-      Delegacia da Mulher implantada na Zona da Mata: quando você vai ler percebe que o município citado é no Agreste.
2-      Aberta inscrição para cursos: a matéria fazia referência ao título, porém a foto se referia a um acidente de carro.
3-      Acidente de carro com vítima fatal: uma fonte diz que o carro é preto, outro diz que é prata.
4-      Homem esfaqueia mulheres: uma fonte cita bar como cenário da tragédia e afirma óbito de uma mulher; outra fonte discorre que foi em lanchonete e que não houve vítima fatal.
5-      Chamada para assunto importante publicada em rede social: ao clicar aparece “página não encontrada” ou pede senha como se todos da rede fossem assinantes do jornal.

Entendo que diante de um mundo globalizado as notícias circulam praticamente em tempo real, seja através da TV, Rádio ou Internet por meio dos jornais e diversas redes sociais. E por causa disso não há tempo para revisão? Essas falhas me fazem lembrar a técnica de dinâmica de grupo denominada “telefone sem fio”, onde a mensagem circula e chega distorcida ao destino final.

Alguns podem defender com o famoso “errar é humano”. Concordo, mas é humano também evitar repetir os erros. Se não me importasse com a fonte que me informa bastava me limitar às redes sociais e não aos respeitados jornais de grande circulação. Mais importante do que apressar para dar a notícia em primeira mão é passar a notícia com o máximo de precisão.

10 de nov de 2011

Para Minhas Amigas!


Hoje resolvi escrever para minhas amigas. Não citarei nomes acreditando que cada uma irá se perceber nas entrelinhas. Algumas são amigas de muitas datas, da época que perder a virgindade era tabu, outras são da época que ser virgem é pagar mico.

Não importa quando nossa amizade começou. O que vale mesmo é que permanece e espero que se perpetue. Assim, teremos muitos anos para lembrar e gargalhar da nossa trajetória como irmã-amiga, amiga-irmã, prima-amiga, amiga-amiga. 

Cada uma tem algo que posso chamar de ponto de referência. Ou seja, uma será lembrada por sua solidariedade, sempre disposta a me ajudar. Outra será lembrada por ter um coração burro e se apaixonar pelo cara mais troncho de todos.

Tem aquela que me parece ser assexuada. Nunca vi ficar, nem pegar ninguém. Quando o assunto é sexo ela só faz rir. Sim, porque também tem aquelas que só pensam naquilo. Tudo pra ela tem duplo sentido e quando não tem a gente sempre dá um jeitinho de fazer a assexuada rir. Afinal, não dá pra ficar sem falar naquilo. E por falar naquilo, tem amiga que o ponto de referência será o malabarismo das pré-liminares.

Outras serão lembradas pelas travessuras, doideiras e micos. Coisas do tipo: pegar carona numa ambulância do corpo de bombeiros, acordar o dorminhoco do ônibus com tapa na testa, fazer xixi na roupa em pleno carnaval, cair na Av. Conde da Boa Vista, cair na Av. Guararapes, ou simplesmente cair, ser expulsa da sala de aula, “namorar” dentro de banheiro público ou no matinho sob os olhares do cachorro de estimação... 

Bom, outras serão lembradas por desejarem meus irmãos. Eu sei exatamente quem pegaria Binho, Cris ou Júnior. Sei também quem pegaria os três. Kkkkkk

Como nem tudo é volúpia, muitas serão lembradas por acreditarem que uma sociedade igualitária não é utopia; outras serão lembradas pela militância feminista. Seja na escola, na graduação, pós-graduação ou no trabalho, elas serão lembradas por nosso trabalho em equipe. Magnífica sintonia.

Algumas devem está lendo e se procurando nas entrelinhas, pensando que não as citei no texto. Ta vendo? Agora você se achou!

Um cheiro!

9 de nov de 2011

Ética Pessoal


Hoje vou discorrer sobre Ética Pessoal. De forma resumida trata-se da forma em que nos relacionamos com nosso EU interior diante das outras pessoas, levando em consideração as diferentes formas de agir e pensar, bem como as consequências de cada ato.

Algumas ações de pessoas agora públicas, mas antes privadas, me fizeram perceber que não sou uma estranha no ninho. Entre elas vale lembrar o policial que hoje preferiu a prisão de um traficante a ter um milhão de reais de suborno e o gari que meses atrás devolveu uma mala de dinheiro achada no lixo.

Motivo de orgulho e modelo a ser seguido. Heróis para uns, motivo de chacota para outros. Deles tenho algo em comum: eu agiria da mesma forma. Minha educação de base, a familiar, foi minha primeira escola. Através dela aprendi a recusar o que é censurável e a desejar o que é justo. É dela que vem minha Ética Pessoal.

16 de out de 2011

Quando eu deixar de existir ...


Quando eu deixar de existir lembre-se de mim;
Não dos meus momentos de fúria, mas dos meus momentos mais serenos.
Quando eu deixar de existir lembre-se de mim;
Não das lágrimas em meus olhos, mas das gargalhadas em meus lábios.
Quando eu deixar de existir lembre-se de mim;
Não da minha organização que te desorganiza, mas da minha organização que nos orienta.
E quando eu deixar de existir...
Apenas lembre-se de mim!

14 de out de 2011

Chutando ondas do mar

Lagoa de Pitangui/RN

Às vezes necessito esquecer que tenho atribuições, afazeres, obrigações. Às vezes preciso dormir atééééé me acordar. Acordar para um delicioso café da manhã, e em seguida ver o sol brilhar. Às vezes preciso caminhar na areia da praia, juntar conchinhas e chutar as ondas do mar. Peixinhos rodeando meus pés fazem espetáculo à parte. E quando tudo isso acontece é preciso voltar...

Trabalho é escolher a mais bela
Barra do Rio - Extremoz/RN

10 de out de 2011

Amor Próprio

Não sei o que é o amor e por isso não posso afirmar que amo. Não quero tornar a expressão em algo banal ao ponto de repetir eu te amo, eu te amo, eu te amo. Posso até gostar com a mesma intensidade (ou até mais) de alguém que diz amar.

Gosto o suficiente para sentir saudade.  Gosto o bastante para dar tudo de mim. Sofro junto, torço pela vitória, almejo o sucesso e vibro com as conquistas. Porém, na mesma intensidade que torço, vibro, cuido, protejo, sinto saudade de alguém EU também desejo, preciso de atenção, gosto e tenho amor próprio.  Nesse amor eu acredito!

26 de ago de 2011

Negro Gostoso e Cheiroso

Ele entrou na minha vida quando eu ainda era criança. Desde então percebi que não conseguia viver sem ele. O tempo foi passando e eu cada vez mais dependente. Não tê-lo por um dia não me faz bem. Até já tentei, mas a necessidade é mais forte do que eu. Minha disposição matinal inicia-se após sentir seu calor na minha boca. Este mesmo calor preciso sentir no decorrer do dia, mas é à noite antes de adormecer que deliciosamente ele me esquenta mostrando-me que o dia acabou. O negro não é apenas gostoso. Ele é deliciosamente cheiroso. Eita café gostoso danado!

Foto: Adauto Júnior

16 de ago de 2011

Meu ponto G

Cientificamente falando o ponto G ou ponto de Grafenberg é a área mais sensível na mulher relacionada ao prazer sexual. Há informações imprecisas quanto a sua real localização. Alguns mais audaciosos arriscam posições a fim de encontrar o tal ponto.
Como dona do meu corpo e conhecedora do meu EU interior sei exatamente onde é meu ponto G. Ele é o prelúdio das preliminares. Resume-se aos gestos e atitudes, companheirismo, amizade e respeito.
Em síntese, para chegar a tal ponto é necessário passar por alguns Gs: Gentil, Generoso, Galanteador e outras letrinhas mais que resultarão no ápice do meu prazer.

10 de ago de 2011

Eternidade para sentimento fugaz

“Faça com que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo.” Se Clarice Lispector não tivesse feito essa frase eu a faria porque o “nada” pra mim na verdade são pequenos gestos, atitudes, palavras e até a falta delas que me fazem sorrir. Até na ausência torna-se presente aqui dentro de mim só porque um momento é tão intenso que deixa de ser instante pra ser eterno. Por isso não poderia deixar de terminar com a frase “eternidade para sentimento fugaz.”

9 de ago de 2011

Feliz Dia do Pais!

Por muitos anos meus domingos foram marcados por algo especial. A comida tinha um delicioso sabor, a sobremesa era um detalhe que fazia diferença, mas nada disso seria tão gostoso se não tivesse sua presença.

Seus cabelos brancos renderam lucro e diversão. Alguns fios arrancados por uns trocados presenteados. E por falar em presente, descobri que papai Noel não existe quando te peguei no flagra colocando a bonequinha fofolete perto de mim. 

Eu cresci, virei mulher, não decepcionei ao me mostrar uma pessoa lutadora. Eu queria retribuir de alguma forma. Por isso doeu tanto te ver num leito de um hospital, numa situação de pré-coma quando faltavam poucos meses para minha formação universitária. Eu chorei e implorei.  Fui presenteada com tua fortaleza e reação; pouco a pouco, dia após dia. Alguns anos se passaram e mesmo com algumas limitações consegues fazer não apenas os domingos, mas todos os dias serem especiais. FELIZ DIA DOS PAIS. FELIZ TODOS OS DIAS!

8 de ago de 2011

Mais fácil errar ou reconhecer e corrigir um erro?

O texto que escrevi outro dia sobre perdão me fez pensar o quão difícil é assumir um erro e repará-lo. Para entender melhor eça mensagem fassa de contas que o testo é sua vida, os erros ortográficos e gramaticais é suas falhas pessoais. O corretor ortográfico -  cazo vieçe a usar - são as peçoas que apontam teus erros.

Minha idéia principal é traser uma reflexão a cerca das nossas falhas enquanto seres zumanos. Por isso resolvi jogar com as palavras e atravéz delas textar se é mais fácil cometer um erro, percebê-los enquanto algo negativo e, claro corrigi-los. Para tanto vários erros ortográficos e gramaticais foram propozitalmente usados neste testo. Foi divertido errar e dezafiador encontrar os erros sem usar o corretor ortográfico.  Fazendo a substituição do texto para minha vida e dos erros aqui cometido para meus erros pessoais conclui que se errar é humano, como dizem, mais humano é corrigir os erros, reconhecer-se como peçoa que erra mais que é capais de açertar.

Dezafio alguém responder quantas vezez errou na vida, ou quantos erros cometi neça mensagem.

1 de ago de 2011

“Perdoar é lembrar sem sentir mágoa”

“Perdoar é lembrar sem sentir mágoa”. Não sei de quem é a frase, apenas concordo. Pelo menos para mim, perdoar é bem mais difícil do que pedir perdão. Este último é resultado de arrependimento, seguido pelo desejo de corrigir um erro, regado pela vontade de conquistar e reconquistar. Já aceitar o perdão esbarra num sentimento de perda, perda de confiança, seguido por mágoa, regado por uma dor interior, com um aperto no peito e um nó na garganta. Por isso é tão difícil perdoar.

23 de jul de 2011

Nós também precisamos de paz!

A campanha promovida por haitianos pedindo o fim da presença de militares brasileiros em seu país me deixou surpresa e chocada; segundo eles os soldados brasileiros reprimem com força e armas as manifestações populares contra a classe dominante, inclusive manifestações pedindo aumento salarial, além de repreender movimentos sociais, praticam sequestros e violência sexual contra mulheres e crianças.

Não posso deixar de citar o papel essencial do exército durante ocupação nos morros cariocas. Que bom seria se essa missão de paz do Exército brasileiro no Haiti também fosse promovida no Brasil como um todo já que o país está entregue nas mãos dos traficantes de drogas, enquanto grande parte da população brasileira vive presa dentro da sua própria casa temendo a violência. As polícias civil e militar parecem ter perdido o controle da situação. E o exército, por onde anda? Está em “missão de paz” no Haiti.

Segundo um amigo que compõem as tropas do exercito brasileiro “ainda há muito que se fazer no Haiti”. Por isso, quero deixar claro que não sou contra essa missão, desde que realmente seja em favor da paz. Pra mim uma ação não exclui a outra. Nós também precisamos de paz.

Os links abaixo mostram mais detalhes sobre o assunto:

http://conlutaspe.blogspot.com/2009/06/delegacao-de-haitianos-em-pernambuco.html

http://ne10.uol.com.br/canal/cotidiano/pernambuco/noticia/2009/06/22/campanha-promovida-por-haitianos-pede-fim-da-presenca-de-militares-brasileiros-no-pais-191447.php

http://www.miradaglobal.com/index.php?option=com_content&view=article&id=1355:haiti-meses-despues-del-terremoto&catid=27:politica&Itemid=74&lang=pt

17 de jul de 2011

Obrigada, meu Deus!

Há anos, muitos anos atrás um fato mudou minha vida em vários sentidos. Uma das mudanças foi quanto à existência de Deus. Por muitos anos evitei falar sobre o assunto e só as pessoas mais próximas de mim na época do ocorrido ficaram sabendo. Falar sobre isso me fazia sofrer, chorar e ter medo. Medo de viver.

Era final de tarde de um domingo chuvoso. Eu estava indo na casa de uma amiga que morava no mesmo bairro que eu. No meio do caminho fui abordada por um homem. Ele me abraçou me mostrou que estava armado com um punhal e ordenou que eu o abraçasse também. Fui avisada que se olhasse para seu rosto eu morreria. E saímos andando abraçados pelas ruas do bairro como se fossemos namorados. Entravamos e saíamos em várias ruas. De cabeça baixa eu só via que ele estava de bermuda jeans e descalço. 

Falei que não tinha nada para ele roubar e para minha angústia ele respondeu: eu só quero você. Até que chegamos numa casa, sem carro na garagem, com portas e janelas fechadas e luzes apagadas. Logo, ele deduziu não ter nenhum morador e resolveu parar ali mesmo.  Com uma mão sobre meu ombro e a outra com o punhal na minha cintura, mandou-me abrir o portão. Respondi que não abria. Rapidamente ele abriu e entrou comigo. Ordenou-me tirar a roupa e mais uma vez falei que não. 

Neste momento percebi que não estávamos sozinhos. Senti a presença de Deus. Eu não o via, mas sabia que estava ali, que poderia me ouvir. Supliquei que me ajudasse. Olhei para o lado, num plano superior e tive certeza que era ali que Deus estava a me olhar. Falei: por favor, me ajude, faça alguma coisa, não deixe isso acontecer comigo. Foi quando o homem me derrubou no chão e veio em cima de mim para despir-me. Nesta hora ele soltou o punhal ao meu lado e com as duas mãos tirava minha roupa. Peguei o punhal e arremessei por cima do muro. Pronto. Não tinha mais arma. Agora poderia gritar. Fiquei de pé segurando com as duas mãos no muro que era baixo e gritei por socorro. Mais uma vez fui derrubada no chão e com as duas mãos o homem apertava meu pescoço, fazendo-me calar. Perdi as forças e não tinha mais como reagi. Pensei que fosse morrer. 

De repente comecei ouvir vozes, pessoas falando ao mesmo tempo diziam coisa do tipo: você ouviu gritos? Eu também ouvi! Pra que lado foi? O homem falou baixinho ainda com as mãos no meu pescoço: Eita porra!  Soltou-me e correu para os fundos da casa. Homens atiravam em nossa direção. Balas passavam por mim. Rapidamente me vesti e sai correndo. Ouvi pessoas dizendo: eu conheço essa moça de vista; ela mora aqui perto; venha tomar um copo d’água. Continuei correndo, corri até chegar em casa e durante esse trajeto sentia que Deus me acompanhava. 

Passei a noite chorando, pedi pra minha irmã Bele dormir comigo. Fiquei sabendo que o homem conseguiu fugir naquele dia, mas dias depois foi assassinado pelo mesmo motivo. Não sei se isso é verídico.

A única certeza que tenho é da existência de Deus. Não tenho, nem nunca tive religião, mas independente disso sei que existe um ser supremo. E se pra escrever esse texto eu chorei foi por alívio. Obrigada meu Deus!

19 de abr de 2011

Recado para os homens


Mulher é bicho esquisito mesmo. E não é só porque todo mês sangra. Todo mês senti dor, todo mês tem TPM. Além disso, tem aquelas que apresentam dentro de si um tal de mioma. Isso bem que poderia ser uma sigla. A tradução ficaria assim: Mulheres Inteligentes Ofuscam Machos Acomodados. Sem falar na tal SOP. Para quem tem mentalidade fértil isso não quer dizer Sexo, Orgasmo e Prazer. Na verdade SOP é Síndrome de Ovário Policístico, para a qual um drilling ovariano resolve o problema. Ah! Drilling Ovariano são perfurações no ovário para induzir a liberação de óvulos. Esses por sua vez aguardam o ataque de pelo menos um entre milhões de espermatozóides. Quando isso não acontece lá vem a TPM e começa tudo de novo.

Homens, a mulher tem tantas mazelas justamente na região do baixo ventre, região pélvica, região que desperta a libido... Então tenham um pouquinho de paciência, pois mulher tem também seu período fértil. Aquela fase que só de lembrar dá um frio na barriga; um simples toque arrepia até o último fio do cabelo; e só de falar... melhor parar por aqui.

22 de mar de 2011

SETE significa...

Juntos sorrimos e divertimos uns aos outros. Uns mais palhaços, outros mais bobos para rir. Somos em número de sete. Para a numerologia é o número da sorte; o matemático Pitágoras afirmou que é um número poderoso; para os que crêem na bíblia sete significa o número da perfeição. Além das curiosidades: sete são as notas musicais e os sacramentos bíblicos, sete são os anões da Branca de Neve e os dias da semana; sete são os pecados capitais, mas também as virtudes.

Quando éramos crianças, uma varicela, caxumba, crise de garganta ou mesmo um simples resfriado significava multiplicar por sete os cuidados maternos.

Nossas brigas logo se resolviam, mesmo que para isso fosse preciso pedir desculpas e nos abraçar sob pena de levar umas palmadas.

Se alguém procurasse briga com algum de nós as coisas mudavam; éramos uma só pessoa, ou seja, sete por um. Dessa forma bêbado safado apanha de cabo de vassoura, tarado de ônibus leva uns corretivos e assim protegemos uns aos outros (em outro momento contarei um desses episódios).

Hoje se um adoece todas as atenções são voltadas para ele/a. Uma entrevista de emprego, uma prova de concurso ou vestibular resulta em ansiedade multiplicada por sete. Um resultado positivo é certeza de alegria para cada um de nós. Torcemos uns pelos outros e nos alegramos com cada conquista.


Hoje estamos ente os 30 e 40 anos, mas quando estamos juntos voltamos a ser crianças. Rimos pelo passado, gargalhamos ao imaginar o futuro e nos divertimos demais com o presente porque acima de tudo somos irmãos e para nossos pais sete significa: Sandra, Fafá, Fabinho, Cris, Bele, Iris e Júnior.



9 de mar de 2011

Amigo


http://donamocinhadobrasil.blogspot.com.br/

Amigo, escrevo apenas para matar a saudade. Sinto saudade dos velhos tempos quando tudo começou e ainda éramos adolescentes. Você por muitos anos foi uma grande companhia. As nossas conversas inocentes e agradáveis faziam com que o tempo passasse depressa. Só me dava conta que estávamos ali há várias horas quando meu bumbum ficava dormente. Algumas músicas daquela época me lembram você. Essa por exemplo é a tua cara: “não, não chores mais. Menina, não chore assim. Não, não chores mais.”

E o tempo continuou passando tão depressa. O meu amigo, como todo jovem rapaz, começou a namorar e me falava das suas conquistas. Às vezes falava de uma coroa, outras vezes da menina da escola ou da amiga de sala de aula. Enfim, várias delas eram citadas pra mim; não como troféu, mas apenas para saber minha opinião. 

Nessa sua fase de namorador senti falta do meu amigo. Sentava na calçada sozinha e ali ficava vendo o tempo passar lentamente. Você ainda dava uma passadinha rápida, todo arrumado e perfumado para que eu opinasse sobre seu visual.

Nossa amizade era tão intensa ao ponto de muitas pessoas acharem que namorávamos ou ao menos éramos apaixonados um pelo outro. Ninguém acreditava que poderia existir amizade entre homem e mulher. O tempo continuou a passar e nós dois tomamos rumos diferentes. Trabalho, estudo, casamento, ciúmes, filhos ou sonho de tê-los, mudamos de bairro e até de cidade. Nada disso foi suficiente para acabar nossa amizade. Continuamos sintonizados de tal forma que se um chora o outro sonha, se um sonha o outro liga.

Já tentei definir nossa relação, mas não encontro palavras adequadas. Creio que nosso sentimento é fraternal, embora não consiga te ver como irmão. E nem adianta o povo dizer que é carnal porque também não consigo te ver como homem. Minha única certeza é de que você é meu amigo quase 25 anos depois tu continuas muito presente aqui dentro de mim.

8 de mar de 2011

Dia da Mulher - 2011 (por Adauto Júnior)


Ela é assim mesmo.
Choro sem motivo, motivo pra chorar.
Vou embora a pedido, mas o pedido é para que eu fique.
Sofre, brinca, sofre e fica muito feliz no mesmo momento. Segurança e meninice simultaneamente na mesma vontade. Minha atenção fica na cabeceira da cama para ela ajustar o alarme no horário que ela quiser.
Se falta pilha eu sou o culpado. Se a pilha não falta ela não diz nada. Nem precisa.
Ela se cobre com o meu carinho e dorme tranquila.
No outro dia ela também pode vestir meu carinho e passar o dia com ele.
Minha compreensão fica comigo, é o meu amuleto, preciso entender o choro sem motivo, o motivo pra chorar, o pedido para eu ir embora, mas que é para eu ficar...
Ruim mesmo é quando esqueço meu amuleto. Ela é até capaz de quebrar a minha atenção... 
Eita, despertou.

10 de jan de 2011

Amizade hi-tech

Nos últimos anos as relações de amizades diferenciam e muito das que estava acostumada. Atualmente podemos conceituar de amizade hi-tech. O orkut e facebook, por exemplo, servem tanto para formação de novas amizades como para reencontro de amizades antigas. Consequentemente as trocas de cartas deram lugar aos emails. As conversas animadas sentadas num banco de praça se resumem em frases abreviadas do msn. Os abraços calorosos foram substituídos por abç. Isso porque um novo idioma foi criado. Agora é assim:

Não = naum; Tchau = xau; beleza = blz; porque = pq; achou engraçado? Basta fazer assim rsrs ou kkk. E se for muuuuito engraçado não dê gargalhada. Não vai adiantar porque a pessoa do outro lado não vai te ouvir. A solução é aumentar os caracteres assim kkkkkkkkkkkkkkkkk. Não poderia esquecer também das letras Sds. Isso significa saudade, sentimento que temos pelas coisas boas.

Ah! Tem uma coisa interessante. Agora você nem leva nem dá gritos. Quando precisar “falar” mais alto basta escrever em caixa alta. Assim: ENTENDEU?

E os diários cheios de segredos, colagens, rosa seca e papel de bom-bom? Foram trocados pelos blogs. E não parou por aqui. Existe também micro blog como o twitter, através do qual temos apenas 140 caracteres para expressar algo. Só para se ter idéia da limitação, até este ponto do texto foram gastos 764 caracteres. Se fosse lá no twitter teria que dividi-lo em pelo menos seis partes.

Antes ser seguido era sinal de perigo. Caso de polícia. Agora é sinal de sucesso, popularidade, fama. Para que serve tantos seguidores se quantidade não quer dizer qualidade? E tem mais, quanto mais tu segues mais bobagens terás que ler.

Sinto saudade de contato mais direto com as/as amigas/os. De um abraço caloroso, de uma conversa gostosa regada de muitas risadas, de olhar nos olhos e vê-los brilhar. Enfim, um calor humano é sempre bem vindo!

1 de jan de 2011

Mulher - protagonista de sua própria história

Ser mulher é algo um tanto quanto complicado. Complicado para explicar. Complicado para entender. Pra ser de verdade teria que ser Amélia, ou seja, não ter a menor vaidade, lavar, passar, cozinhar; e isso não bastava, ela teria mesmo que ser submissa. A mulher atual seja Amélia, Maria ou Fulana de Tal é vaidosa sim. Não é mais privada. Tornou-se figura pública. Paga suas próprias contas e outras mais. Agora ela não mais precisa fingir orgasmo. Os/as interessados/as que se virem sejam criativos/as, pois elas querem chegar ao ápice do prazer. Se antes as Amélias tricotavam enquanto trocavam receitas, falavam dos filhos e maridos, hoje as mulheres sentam numa mesa de bar, numa casa de chá ou num lugar qualquer tratando dos mesmos assuntos para um início de conversa, pois o assunto principal ainda está por vir: Elas – protagonistas de suas próprias histórias.