MOSAICOS DE UMA VIDA

Juntando cada peça forma-se o mosaico de minha vida. Tantos sentimentos me envolvem. Sentimentos ruins, outros bons. Saudade de quem se foi para eternidade. Saudade de quem posso ligar para ouvir a voz. Tristeza pelas metas não cumpridas e alegria pelos objetivos alcançados. Gemidos de dor, outros de prazer.

23 de dez de 2013

Feliz tudo!!!

Penso que seja humanamente impossível chegar ao final do ano sem fazer uma retrospectiva dos principais fatos da vida. Isso ora alegra, ora entristece e naturalmente fazemos planos para o ano seguinte porque almejamos algo melhor. É como se a virada do ano se transformasse em mudança de vida.

Um novo amor, ou consolidação do amor antigo; novo emprego ou reconhecimento profissional; emagrecer ou até uns quilinhos a mais; dinheiro no banco e dívidas pagas; saúde, paz... São tantos sonhos almejados para o ano seguinte. Que bom seria se de fato fosse assim: quando o relógio batesse meia noite, entre o ano velho e o ano novo tudo de fato se tornaria novo. A queima de fogos seria a comemoração pelas metas cumpridas, pelos sonhos realizados.

Caindo na real... Nada muda numa noite, e não depende da virada do ano nem da troca do calendário na parede. Na medida do possível, que tal fazer sua parte?! Estude, trabalhe, cuide-se (mente e corpo), reconheça-se como ser que erra, e também perdoe.
NÃO vou finalizar desejando FELIZ NATAL e FELIZ ANO NOVO...

FELIZ TUDO, SEMPRE!!!

13 de dez de 2013

Enfim Sexta!

Penso que as 16 horas de toda sexta-feira são sempre iguais nos ambientes de trabalho. É o momento que começam a arrumar as bolsas, retocar a maquiagem, os celulares não param de receber mensagens e ligações com os acertos para o happy hour.

A partir desse horário todos os olhos miram o canto inferior direito da tela do computador. É lá onde se encontra o relógio que por sua vez demora horas para sair das 16h. Ninguém mais consegue se concentrar. Os relatórios deixam de ser produzidos e emperram na mesma página até que chegue a segunda-feira.

É nesse bendito horário da sexta-feira que surgem as palavras repetidas do tipo: “dá 18h, mas não dá 17h” ou “esse relógio tá parado”... Minutos depois os setores começam a se homogeneizar. Isso porque as pessoas começam a circular na tentativa de passar o tempo. Bebem água, vão ao banheiro, se olham no espelho, citam as frases repetidas e olham o relógio que resolveu marcar 16h30min.

Para quem começa imaginar a saga de esperar ônibus e enfrentar o trânsito, a espera para que o relógio chegue as 17h pode ser ainda mais desesperadora. Melhor escrever sobre esse momento, que começa às 16h da sexta.

Quando o relógio chega às 16h40min as pessoas parecem estar em posição de largada numa corrida de velocidade e quem opta por escrever melhor acelerar o texto porque chegou 16h50min... 17h00min. Ufa, larguei!!!


12 de dez de 2013

Pouca tinta pra muitas palavras!

Eu aprendi sorrir quando choro por dentro;
Aprendi a calar quanto tenho muito pra falar;
Aprendi acordar quando deveria dormir;
E a dormir quando deveria acordar.
Aprendi tanta coisa, mas não aprendi ... 
Reticências quando tem pouca tinta pra muitas palavras!

6 de dez de 2013

Portões de Embarque e Desembarque

Começando com um clichê... “A distância permite saudade, mas nunca o esquecimento”.
Do fundo do meu baú

Quando ela se foi nem vivíamos num mundo tão hi-tech. Limitávamos-nos as rápidas ligações telefônicas, além das cartas. Essas passavam quase um mês pra chegar; quando chegavam, as novidades já estavam velhas.

O advento da internet e do celular logicamente possibilitou nossa “aproximação”. Falamos-nos quase que diariamente. Um alô, uma postagem ou simplesmente uma curtida sinaliza que continuamos juntas, embora distantes.

Mas falta mais. Falta o calor humano. Falta o toque. Falta também o abraço caloroso. Falta tudo isso porque a saudade é grande. Grande também é o oceano que nos separa.

Por isso sua vinda é sempre igual. É como um evento que começa lá e cá. Expectativa, clima de festa, contagem regressiva...

É tão bom esperar o portão de desembarque abrir!!!!
E tão ruim ver o portão de embarque fechar... 

20 de nov de 2013

Acorda, Fafá!

Estava imaginado como seria interessante se eu pudesse me transformar em três Fafá’s.

- A primeira seria a Fafá dona de casa, organizadora, arrumadeira, lavadeira, passadeira e cozinheira. Em síntese ela seria multifuncional, trabalhadora privada.

- A segunda seria a Fafá trabalhadora pública e estudante. O trabalho seria necessário para pagar as contas e a capacitação continuada seria estratégia para melhores oportunidades de emprego.

- A terceira Fafá ficaria com as atribuições de viajar e se divertir.

E como seria o dia a dia delas?

- A primeira acordaria antes das outras. Fora as diversas atribuições do lar, ela prepararia o café da manhã e deixaria prontas as roupas do dia.

- A segunda acordaria em seguida, se produziria para o trabalho, mas antes desfrutaria do café da manhã (afinal, a mesa já estaria posta pela primeira).

- A terceira dormiria atéééééééé se acordar (e não até o despertador acordá-la). Depois de um demorado banho, sem pressa e sem lembrar que relógios existem, ela tomaria seu café da manhã e “tomaria o mundo”. O céu seria seu limite, já que o cartão de crédito não teria limite. Isso seria preocupação da segunda Fafá (quem manda gostar de trabalhar?).

E quando chega a noite:

- A primeira prepararia a janta, mesmo sabendo que as outras Fafá’s talvez nem comessem; isso porque:

- A segunda voltaria pra casa cansada, com fome e com sono. Dependendo do grau de cansaço e sono a fome seria ignorada.

- A terceira chegaria por último. Ou não chegaria nesta noite. Afinal, a noite é uma criança...

Na real?

Como essas três Fafá’s não existem separadamente, melhor a 4ª Fafá parar de escrever besteira, tomar um banho, comer qualquer coisa (ou não) e ir pra cama porque no dia seguinte tem um tal de 5 horas da manhã pra acordá-la.

Imagem disponível em:
 http://www.osimplespensar.com/a-nora-amelia-virou-barbie/

11 de out de 2013

A vida em mosaico

Foto: Creusa Melo
Mosaicista: ainda não sei


Infelizmente não sei quem montou essa obra de arte, mas a foto foi feita em Campinas/SP por uma amiga, que certamente faz de sua vida uma linda peça em mosaico, em constante crescimento.

Eu sempre faço comparação da técnica do mosaico com a vida, porque assim como no mosaico na vida nada é constante, igual, homogêneo, uniforme... Cada pedrinha e cada acontecimento forma o todo; por isso dizia Gregório de Matos, “o todo sem a parte não é todo”.

Essa imagem da mulher grávida retratada no mosaico me remete a tantos pensamentos, a tantas lembranças, coisas tristes e alegres; à morte e também à vida. Lembra-me o movimento de mulheres e suas conquistas, alcançadas pouco a pouco, luta após luta, juntando pedaços por pedaços. Lembra-me também da luta constante das mulheres que dia a dia busca se encaixar no melhor espaço, seja público ou privado, porque ela só deseja ser uma parte do todo.

Obviamente a imagem me remete também à mágica da maternidade, da mulher que sonha em ser mãe, das que vivem esse sonho, das que desistiram de sonhar e até das que se recusaram a viver esse sonho. Isso porque assim como no mosaico, a vida também é um quebra cabeça, e como sabiamente disse um certo Padre “É preciso estar consciente de que a felicidade é mosaico. É para ser montada aos poucos, dia a dia, parte por parte. A vida se encarrega de nos entregar as peças. Encaixá-las é uma tarefa que não podemos abrir mão”.

20 de set de 2013

Sintonia entre o Choro e o Mar

Vi essa imagem e logo me identifiquei porque acredito que existe sintonia entre o choro e o mar. Ambos com gosto de sal; o segundo bem mais intenso leva embora o primeiro que nem precisava existir. Entre eles existe também cumplicidade; são coniventes quando justificam os olhos vermelhos provocados pelo choro, tornando álibi as águas do mar.

4 de set de 2013

Estranho é sentir saudade..










Estranho é sentir saudade de quem está perto.
A gente enxerga, mas nem vê;  toca e nem sente;
Tenta matar a saudade e encontra palavras que machucam;
Tenta mais um pouco e encontra diálogos que nem começaram.
Estranho é sentir saudade do que ainda não foi vivido.
A gente sente saudade dos projetos que deixaram de ser sonhados;
E dos sonhos que deixaram de ser projetados.
Estranho também é sentir saudade de mim.

9 de ago de 2013

Castração Psicológica

Capa do livro O PAU
Não sei por qual motivo umas amigas me apelidaram de “Fafálica”. O apelido me fez lembrar a escritora Fernanda Young e uma das suas obras, intitulada O PAU.  Neste livro a autora conta a história de uma mulher madura, independente financeiramente, inteligente, bonita. Até ai estava tudo muito perfeitinho, até que ela se envolve com um homem mais jovem, sobretudo imaturo, com uma inteligência não muito avançada. Ela tenta lapidá-lo, indicando bons livros, filmes, cursos e até financiando viagem internacional.

O bonitão não se contenta com “pouco” e busca uma relação extra, mas a namorada descobre a pulada de cerca através de uma mensagem de texto no iPhone do amado. Obviamente como uma mulher traída ela tem sede de vingança e como mulher inteligente trama sua vingança para atingir o alvo mais precioso do macho. E assim inicia uma castração.... Calma, gente! Trata-se de uma castração psicológica.

8 de ago de 2013

Flui naturalmente ou depende de quanto?

Imagem de internet
Pra me cativar basta me fazer sorrir. E isso nem é tão difícil porque tenho um sorriso fácil, um sorriso largo. Basta me dar atenção; basta me ouvir. E se um dia eu chorar basta minhas lágrimas enxugar. É assim que as coisas fluem naturalmente e nem depende de quanto (...)  de quantas vezes eu sorrir, de quantas vezes eu falei e de quantas vezes eu chorei.

Só não sei como faz pra me reconquistar. Ainda não aprendi. Me perdi e não encontrei o caminho.

Saudade!

5 de ago de 2013

Barulho só se for das ondas do mar

Foto: JV Delfa
A vida agitada da cidade, sua poluição visual somada à poluição sonora, a violência urbana e o caos no trânsito foram os fatores que me lapidaram, fazendo-me desejar estar só.  E como estar só é diferente de sentir-me só, há momentos que almejo a primeira opção. Um livro me basta e pra beber uma água de coco (quem me conhece leu nas entrelinhas kkkk). Barulho nem pensar, só se for das ondas do mar. 


28 de jul de 2013

Eu já sabia !

Hoje é meu aniversário. Estava meio melancólica por ver o tempo passando sem que eu tenha alcançado alguns objetivos nem atingido algumas metas. Queria ficar só, não ver nem falar com ninguém. Porém, um fato interessante mudou meu humor e me fez curtir o dia. Em silêncio fiquei rindo por dentro. Comecei a me divertir com a “festa surpresa” que minha família preparava pra mim.

Desde o momento que desconfiei fui deixando a galera embaraçada... Chamei algumas delas pra ir à praia, depois outra pra ir ao shopping e ainda fingi que ia fazer umas comprinhas e esticar o passeio indo ao cinema.  É óbvio que os convites eram recusados e as trocas de ligações aumentavam na tentativa de me segurar em casa.

Colaborei com a “surpresa” tomando um banho sem pressa, pra dar tempo de arrumarem as comidinhas em cima da mesa,  se posicionarem para cantar PARABÉNS PRA VOCÊ e claro com câmera fotográfica preparada para o click. Chegaram a pensar que eu poderia sair do banho enrolada na toalha, mas pra surpresa de todo mundo saí carregando uma frase que dizia EU JÁ SABIA!!

Pessoas, queridas
Obrigada por fazerem parte das minhas boas lembranças, das minhas risadas (gargalhadas) e por se importarem tanto comigo. Até a próxima surpresa kkkkkkkkkk

cheiros

2 de jul de 2013

Ecologia Emocional


Li um livro intitulado “Corazón que siente, ojos que vem” através do qual fui apresentada ao conceito de Ecologia Emocional. Tal conceito refere-se à arte de gerir nossas emoções para que sua energia propicie crescimento pessoal, melhorando a qualidade nas relações interpessoais e consequentemente maior cuidado com o mundo. Obviamente o conceito me fez pensar de que forma - ecologicamente falando - seria possível gerenciar minhas emoções. Eis as respostas: 

  • Redução dos níveis de lixo emocional;
  • Reciclagem das emoções dolorosas;
  • Reutilização de conhecimentos, habilidades e competências;
  • Substituir o irreparável.

Deparei-me com questões que me reprovaram, fazendo-se pensar em mim por outro ponto de vista. Olhei para meu EU interior. Sobre o primeiro ponto penso que "contamino" pessoas próximas sempre que estou triste. Em relação ao segundo ponto acredito que essa reciclagem só é possível quando se alcança a resiliência, o que pra mim não é nada fácil. No ponto três não fui tão mal porque até tento não desperdiçar minhas habilidades. Quanto ao último ponto, infelizmente me deparo com coisas/fatos insubstituíveis.

Esses 4 pontos de fato me instigam a repensar na minha gestão emocionalmente ecológica. Portanto, o assunto não termina aqui; vou me aprofundar mais no tema (...)

29 de jun de 2013

Restaurado, mas não substituído !


Li uma mensagem sobre um casal que estava comemorando 60 anos de casados e foram questionados como conseguiram manter a união por tanto tempo. Eles justificaram com a seguinte frase: “somos de um tempo em que, quando alguma coisa se quebrava, não jogávamos fora. Nós consertávamos”.


De fato nos tempos atuais as coisas são substituídas em pouco tempo de uso. Algumas vezes por se tornarem obsoletas, outras vezes por não terem durabilidade e muitas outras para atendermos o chamado do consumismo exacerbado.

Fazendo uma analogia às relações interpessoais é preciso uma reflexão madura, sobretudo para entender até que ponto vale a pena persistir; é preciso habilidade para mediação dos conflitos e principalmente maturidade para se colocar no lugar do outro. Não dá pra tratar as pessoas como coisa, logo não faz sentindo trocar as relações como se troca um objeto qualquer. Neste sentido a “regra” vale para todas as relações.


Antes & Depois - restaurado, mas não substituído

22 de jun de 2013

O povo acordou!!


Recentemente escrevi um texto repudiando as vaias destinadas à presidente Dilma no evento de abertura da Copa das Confederações. No texto eu questionava se não seria mais sensato protestar indo às ruas. Para minha surpresa o protesto tomou outra dimensão. De fato houve mobilização social e o povo na rua protestou. Os motivos para tal movimento não faltaram e a lista de reivindicações aumentou.


Obviamente não foi por 20 centavos, isso até virou clichê. E para ficar mais claro, principalmente para quem optou por fingir-se desentendido, acho relevante mostrar alguns dos motivos dos protestos. Farei isso através de imagens de alguns amig@s.


Fico feliz por saber que o povo acordou; não se contenta com pouco, não se deixa manipular pela Rede Globo, nem se influencia por palavras infelizes ditas pelo rei e craque do futebol; orgulhosa porque meu povo se manifestou, mostrando insatisfação a nível internacional. Parar?  Ainda NÃO é hora!!!

Foto: Alexandre Maomé
Foto: Aline Moura
Foto: Ana Cláudia Dolores DP/DA Press
Foto: Cristina Albuquerque

Foto: Juliana Bezerra
Foto: Izabela C Albuquerque

Foto: Renaldo Segundo

15 de jun de 2013

Vergonha Alheia


VERGONHA, segundo o dicionário, é o sentimento penoso de desonra e humilhação. Já a VERGONHA ALHEIA é a experiência de se envergonhar no lugar do outro. Confesso que sinto vergonha alheia e me incomodo, mas tenho consciência de que não devo me punir pelas atitudes de outrem.

Hoje experimentei tal sentimento por dois pontos de vista durante a abertura da Copa das Confederações. A presidenta Dilma foi vaiada!!! Senti vergonha por ela, mas senti também vergonha por aqueles que a vaiaram.

Se Dilma foi vaiada fica explícito o caráter de rejeição social e queda de sua popularidade exposta a nível internacional. Não desejaria estar em seu lugar, Presidenta! Quanto aos vaiadores fica meu repúdio porque aprendi que vaiar não faz parte de uma boa educação. E não adianta justificar que a presidenta não investiu em tal política pública porque esse meu aprendizado não aconteceu na escola, muito menos na faculdade; faz parte da minha educação de base – a educação familiar.

Qualquer pessoa em sua sã consciência sabe todos os setores do país carentes de investimento (educação, saúde, etc). Absurdamente foram e estão sendo gastos “rios” de dinheiro para realização das copas da confederação e do mundo. Os ingressos custam um absurdo.

Isso me faz questionar os efeitos daquelas vaias. Não seria mais sensato NÃO comprar o ingresso? Não seria mais prudente realizar uma mobilização social que resultasse em manifestação pública? 

Uma Flor Especial


Há muitos anos “fui apresentada” a um problema chamado Distrofia Muscular. Problema esse que trouxe dor, lágrimas e muita tristeza pra mim e minha família. Perdemos nossa Julie e Priscila. De lá pra cá a Distrofia Muscular só me remetia a coisas negativas, aos sentimentos de dor.

Até que recentemente fui apresentada a Wivian, uma pessoa que tem distrofia muscular e que me mostrou através da sua garra, energia e, sobretudo através do seu blog que existem muitos motivos para sorrir. Foi lendo o blog InPerfeitas (isso mesmo, com N) que percebi o quanto minha autoestima andava baixa e que eu tenho muito o que aprender com Wivian e suas amigas do blog (Luciana Marques e Débora Borsoli).

Por alguns problemas pessoais estava me sentindo uma florzinha murcha, mas com ajuda das InPerfeitas dei outra conotação pra essa flor; mais precisamente aquela flor que colocamos dentro do livro pra secar. Independente do seu aspecto é uma flor especial.








29 de mai de 2013

Redução da Maioridade Penal

O debate a respeito da redução da maioridade penal vem crescendo e me fez perceber o quão difícil é, pelo menos pra mim, ter uma opinião com argumentos convincentes e inquestionáveis.

Surpreende-me o argumento que vê a redução da maioridade penal como instrumento suficiente para combater a violência, assim como me chamam a atenção os argumentos favoráveis a tal redução e que são embasados nas legislações. Tais argumentos defendem que se permitem aos adolescentes assumir responsabilidades como trabalhar, casar, votar e emancipar-se aos 16 anos, é possível também fazer com que respondam criminalmente - na mesma proporção que um adulto - por atos que não estejam de acordo com as leis.


Também embasados nas legislações estão alguns argumentos contrários a redução da maioridade penal. Um desses argumentos aponta a Constituição Federal que discorre sobre a impossibilidade de um menor de 18 anos receber punições tal qual uma pessoa adulta. Alguns argumentos afirmam que juntar menor de 18 anos com pessoas adultas contribuirá para o aumento da criminalidade, uma vez que o sistema prisional é reconhecido como uma faculdade para o crime. Os menores seriam os aprendizes em contato direito com os maiores, considerados os mestres da delinquência.

Outro argumento, que por sinal predomina entre pessoas do meu convívio profissional, diz respeito à necessidade de ver o problema como algo estrutural; portanto, cabendo ao Estado cuidar melhor dos direitos sociais, garantindo de fato o acesso à educação, saúde e assistência social como um todo.

Então, não sendo possível continuar nessa zona de conforto decidi sair de cima do muro. Defendo a redução da maioridade penal para 16 anos, bem como punições mais severas de acordo com a gravidade das barbáries por eles cometidas.... desde que, ao mesmo tempo o Estado cumpra seu papel na garantia dos direitos sociais e que se faça cumprir o processo de ressocialização no sistema prisional brasileiro, não perdendo de vista o real sentido das medidas socioeducativas. E assim teríamos medidas corretivas e preventivas caminhando juntas.



21 de mai de 2013

“Minhas Mulheres da Paz”.

Anos atrás tive a oportunidade de trabalhar com um grupo de mulheres, com as quais ensinei e aprendi. Foi uma via de mão dupla. Uma troca. Em uma das atividades elas responderam o que é ser mulher. Eis algumas respostas:

(...) É ser guerreira; trabalhadora;
É saber se valorizar;
Não deixar que ninguém pise;
Resistir e lutar pela vida;
É ser companheira, guerreira; é se amar;
Conquistar seu lugar a cada dia;
Ser lutadora, encantadora, meiga e sábia;
É ter atitude, saber o que quer; respeitar e ser respeitada;
É ter dignidade
É ser livre ...

O projeto acabou. Cada uma seguiu seu rumo e quase 3 anos depois ainda me tratam com carinho e atenção. De vez em quando recebo uma ligação ou SMS de uma delas querendo saber de mim ou simplesmente pra expressar o sentimento de gratidão ou saudade.

Para elas segue minha homenagem e agradecimento porque ser mulher é ser como elas: mulheres da Paz!

Mulheres da Paz - Águas Compridas/Olinda
Mulheres da Paz - Águas Compridas/Olinda

20 de mai de 2013

Dicas de Mosaicos


Já falei em outra postagem que evito descartar os resíduos eletrônicos em lixo comum devido seus componentes altamente tóxicos, prejudiciais ao meio ambiente. Os CDs/DVDs, por exemplo, passei a usá-los como base para mosaicos, substituindo o MDF. Além dos resíduos eletrônicos já reaproveitei garrafa de coca-cola em alumínio e uma antiga mesinha com base de ferro.

Pensando nas possibilidades de reaproveitamento passei a transformar o que seria lixo em algo decorativo. Nessa postagem compartilho umas dicas para quem deseja presentear ou simplesmente decorar a casa.

Antes
Depois
Um dia foi CD/DVD

Garrafa de Coca-Cola
Vira Jarro p/ flor em Mosaico


11 de mai de 2013

Mainha, Feliz Dia das Mães!

Já fiz texto para Deus, amigas, marido, irmãos, pai, meu amigo, até para galera do ônibus; agora nada mais justo do que escrever em homenagem a ELA.

ELA que me ajudou crescer como pessoa, ELA que me educou pra não chamar palavrão. Foi ELA quem me ensinou dizer “aquele senhor” e não “aquele velho”, ELA me ensinou também pedir desculpas ao arrotar. ELA  me doutrinou a dizer obrigada e desculpas e pedir a benção aos tios, avós, pai e claro MÃE.

ELA diz que mulher precisa ter o próprio dinheiro pra não esperar a grana do marido. Pensando assim se tornou a vendedora mais versátil que conheci, vendendo cosméticos, Avon, Natura, Água de Cheiro. Já vendeu também salgados, frutas e verduras... De todas suas vendas eis o que ELA mais gosta de fazer: bolos.


ELA não teve tempo exclusivo pra mim, mas se dedicou exclusivamente para a família como um todo. ELA até brincava de monstro. No nosso mundo de fantasia - quando as luzes eram apagadas - os filhos eram as vítimas e ELA era o bicho. Dava medo!
Ele&Ela

No nosso mundo real ELA virou cuidadora. Cuidadora de mim, cuidadora dos 7 filhos, cuidadora do meu pai, cuidadora de quem dela precisar. ELA é minha MÃE.

Mainha, Feliz Dia das Mães!



10 de mai de 2013

Vai Desceeeeer !!!


Ultimamente tenho ficado em torno de três horas dentro do transporte coletivo. Essas horas referem-se às idas e vindas diárias em meio a fatos irritantes, estressantes, curiosos e engraçados que acontecem dentro dos ônibus. Que bom poder contar com o cômico para minimizar o resto.
http://www.humorface.com/
Foi curioso perceber que muitas pessoas tornam-se egoístas na ânsia de pegar um lugar pra sentar e mais curioso ainda notar que quando já estão sentadas transformam-se em solidárias ao segurar os pertences daqueles que permaneceram em pé; mas há também pessoas que seguem egoístas mesmo sentadas. Elas fingem dormir para não ceder lugar para idosos e gestantes.


A viagem segue e os gritos de “vai descer” também, porque o motorista insiste em se esquecer de abrir a porta traseira. Percebo que as idas são mais estressantes porque contam com a impaciência e ansiedade de quem teme chegar atrasado ao trabalho.

Campanha - Grande Recife
Consórcio de Transporte
A volta é mais engraçada. A galera mesmo depois de um dia pesado consegue a leveza que me faz rir e escrever. Contam piadas, falam do último capítulo da novela e gritam para o motorista correr porque “a novela hoje tá é boa”. Até receitas são trocadas. Para um jantar rápido nada mais prático do que um cuscuz ou banana cozidos no micro-ondas. Muitas pessoas deixam de ouvir as pérolas e fatos que ocorrem dentro dos ônibus porque preferem usar o fone de ouvido. Não sabem elas que são motivos de risadas quando começam cantarolar em voz alta.

Este texto terminará aqui porque ficarei no próximo ponto... VAI DESCEEEEEERRRRR!!!!

28 de abr de 2013

Que paixão é essa?


Aprendi na escola da vida que família é sinônimo de afeto, carinho, proteção, união, respeito. Depois aprendi teoricamente que família é uma instituição social e que educar é uma das suas funções. Felizmente na minha casa cumprimos nosso papel pondo em prática o que a teoria um dia iria me revelar.

Infelizmente não foi assim com todas as famílias e por isso continuo me deparando com realidades que chocam me fazendo pensar até que ponto as famílias estão cumprido seu papel social. O motivo desse texto foi a ação bárbara, cruel e desumana do homem que queimou com ferro elétrico o rosto de sua companheira. Fiquei impactada com o fato.

O indivíduo tem ciúmes da esposa e ainda se sentia inferior, uma vez que estava desempregado e ela teria sido promovida no emprego. Que paixão é essa que maltrata, machuca e muitas vezes até mata? Que amor é esse que não o deixou feliz com o sucesso dela? Será que a ação violenta vem como resultado de amor, paixão, carinho, proteção, união, respeito? NÃO, esse ato monstruoso pode ter origem na educação familiar ou nas mensagens impostas socialmente. Mensagens que colocam o homem com autoridade sobre a mulher e esta por sua vez acredita no seu papel de submissão.

Torcendo para que  justiça seja feita!


24 de abr de 2013

Fusão de Sentimentos


por ShanShan

Sorrir e chorar, se entristecer e se alegrar. Mesmo sendo contraditórios é possível senti-los simultaneamente.

Quando isso acontece as lágrimas são amparadas pelo sorriso. O nó na garganta é desatado pela alegria que por sua vez se encarrega de aliviar o aperto no peito provocado pela tristeza.

Deveria existir uma palavra que substituísse essa fusão de sentimentos.

19 de abr de 2013

Curiosidades – Estatística no Blog


Estava dando uma analisada nas estatísticas do meu blog e algumas informações chamaram minha atenção. Dei um print screen para postar as imagens (clicar para ampliar).

A primeira imagem refere-se aos acessos nos últimos 30 dias e a segunda imagem mostra os 10 países que mais acessam este blog desde seu início. Ver o Brasil no topo da lista já era de esperar, mas não entendo porque a Espanha está em 6º né, Sandra, José e Marina? E Portugal em 7º? Dá pra me explicar, Jaque? rsrsrsrsrsrsrs



A maioria dos leitores do blog deve chegar aqui através de pesquisa por palavras-chave. E o que me chama atenção na terceira imagem é que a palavra-chave “Negro Gostoso” é a segunda da lista que mais traz leitores ao blog. A galera pensa que vai ver homem nu e se depara com meu texto falando do café rsrsrsrsrs


Por fim, na quarta imagem, os 10 mais lidos. Uma pena o texto que mais gosto não aparecer na lista :(


18 de abr de 2013

Se a madrugada falasse ...

Numa certa noite em Quixaba/CE

Se a madrugada falasse ela me perguntaria o que é que há e o que vamos escutar.

Ela me ordenaria enxugar as lágrimas e até me faria gargalhar.

Se a madrugada me escutasse eu teria tanto pra falar, mas a mim, madrugada, só me resta ouvir o “barulho do teu silêncio” enquanto te vejo passar.



10 de abr de 2013

Metade Cheia ou a Metade Seca

Não dá pra dizer que tudo é bom ou tudo é mau. Assim como não dá pra responder se prefiro a metade cheia ou a metade seca. Se está na metade existem as duas opções.

Com os gostos acontece igual. O que é evitado por um pode ser almejado por outro, assim como o que é digno de aplausos não está imune das vaias. Também porque não existe nada tão imperfeito que não possa ser visto com perfeição, nem existe defeito que esteja livre correção.

O desafio está no aceitar os diferentes gostos e no saber viver com as diferenças. Tolice seria regular o todo conforme conceito próprio.

Reflexão Prolongada


Na estrada da vida nem sempre encontramos uma linha reta, os desvios são inevitáveis e a decisão entre um caminho ou outro vem acompanhado de dúvidas. Como em toda bifurcação algum caminho deve ser escolhido, ambos nos levam em algum lugar, mas é preciso saber onde ser quer chegar. 

De um lado um caminho sem obstáculos, livre de problemas, fácil de seguir, bonito de se ver. Do outro lado um caminho tortuoso, com barreiras em seu trajeto, difícil de seguir e complicado de viver.

Na vida tudo é muito complexo. O que se quer e onde se pretende chegar pode estar no final do caminho mais dificultoso. E ai vem a tão difícil decisão. Seguir ou ficar? Persistir ou desistir? Sim ou não?

Como disse Baltasar Gracián, em seu livro A Arte da Prudência “NÃO e SIM são palavras breves, mas exigem uma reflexão prolongada”. Concordo! Toda e qualquer decisão precisa passar por essa reflexão, pois até o DESISTIR pode ser a melhor escolha, ou não.

5 de abr de 2013

Pensamento Positivo

Sabe aquela velha frase "casa de ferreiro espeto de pau"?

Pois bem, muitas vezes eu consigo aliviar a angústia, preocupação, tristeza ou outro sentimento negativo de algumas pessoas. Faço isso com palavras que vem do meu coração.

As vezes também sinto as mesmas angústias e tristezas, mas me falta inspiração e força para alívio próprio. 

A frase abaixo me deixou reflexiva e começando entender que motivar as pessoas é algo que faço com naturalidade, mas em relação a mim é algo que devo aprender.

"O pensamento positivo pode vir naturalmente para alguns, mas  também pode ser aprendido e cultivado, mude seus pensamentos  e você mudará seu mundo" - Norman Vicent Peale

21 de mar de 2013

De tanto que tropeço já sei como cair!

Após o desabafo de uma pessoa querida eu escrevo:

Para sofrer menos eu optei por acreditar que Deus nos prepara algo melhor.

As decepções e dores são seguidas de perguntas sem respostas. A rispidez da vida me faz entristecer e sentir mágoa daquele que planejou minha história. Pra mim é humanamente impossível não ter esses sentimentos. Lutei contra isso, mas não deu.

Melhor acreditar que se existe o mal existe o bem. Para o frio existe o calor. Para tristeza existe a alegria. Para um problema existe uma solução. Para a dor física existe um bálsamo. Para dor emocional existe um Deus.

Assim vou deixando a vida me levar cantarolando a frase de uma música que diz: de tanto que tropeço já sei como cair.

15 de mar de 2013

O Vinho pensando por mim!


Certo dia uma amiga disse que quando o vinho começa a pensar por ela é sinal que está na hora de dormir. Eu respondi que quando o vinho começa pensar por mim é chegada a hora de escrever.

Foi justamente quando o vinho estava pensando por mim que comecei escrever (mentalmente) este texto. O vinho começou observar as pessoas bem como suas bebidas escolhidas e seus efeitos. Uns tomavam cerveja, outros tomavam Whisky, apenas um se arriscava na cachaça, mas tinha também quem tomava apenas água.

A galera da cerveja disputava o banheiro. O vinho até entendia a necessidade de esvaziar a bexiga, mas ficava sem entender o motivo daquelas pessoas mudarem a frase “fazer xixi” para a frase “tirar água do joelho”.

Os adeptos do Whisky viraram filósofos e economistas. Eles falavam em dinheiro, mão de obra e lucro. Uns defendiam e outros eram contra o capitalismo. Ai o vinho ficou imaginando no quanto Karl Marx estava inquieto no túmulo querendo participar da conversa.

O cachaceiro era o mais conversador e palhaço de todos. Ele participava de todas as discussões, não discordava de ninguém. Isso fazia o vinho não só pensar, mas rir. Rir muito com o cachaceiro porque ele não discordava justamente para usar palavras repetidas. De uma forma engraçada ele dizia diversas vezes “concordo com você” dirigindo-se ao cara da cerveja e em seguida dizia: “assim como não discordo do que eles falaram”, referindo-se a galera do Whisky.

E as meninas da água? Coitadas! Antes tivessem compartilhado o vinho comigo. Elas perderam a voz, só faziam ouvir a conversa de bêbedo, sentiram sono, mas em compensação comeram. Beber não, mas comer era com elas; o vinho maldosamente percebeu que fazer tira-gosto era apenas uma estratégica das meninas da água só pra comer muito.

Foto: Déborah Barbosa
Depois de algumas viradas de copo entre os amigos o vinho se assustou com um problema que surgira. A galera ficou surda. Quanto mais bebiam mais falavam alto. Foi quando o vinho percebeu que a bebida provoca sono, gera problema de audição, ressuscita filósofos, forma palhaço, abre o apetite e faz escrever mentalmente.



13 de mar de 2013

Está difícil caminhar ! ?

Quando uma amiga especial falou “está difícil caminhar”, referindo-se a sua luta diária que inclui trabalhar, estudar, cuidar de si e das pessoas e ainda correr atrás dos seus sonhos eu logo fiz uma alusão ao Caminho de Santiago de Compostela.

Esse caminho tem subidas e descidas, tem lama, tem pedra, mas também tem flores e água cristalina. Durante a caminhada sentimos cansaço, mas logo encontramos um ponto de apoio pra nos amparar.

Sentimos dor, mas encontramos a solidariedade dos peregrinos ao nos ajudar, seja com uma palavra de ânimo pra não desistir, seja com um bálsamo pra aliviar a dor.

Durante o Caminho nos encontramos dentro de nós, fato que nos faz sorrir e chorar. E temos a consciência de que o trajeto só acaba quando chegarmos ao nosso destino final, aquele que traçamos como meta. Até lá as dores e o cansaço fazem parte do Caminho, que por mais difícil que seja é lindo e vale a pena seguir.

A chegada à cidade de Santiago é emocionante. Lá os peregrinos vistos durante o Caminho se reencontram e demonstram o cansaço, mas é o brilho nos olhos e o sorriso largo que provam que valeu a pena.

Querida, eu quero continuar fazendo parte da tua caminhada, atuando como se fosse uma peregrina. Espero que minhas palavras e orações te sirvam como bálsamo e ponto de apoio. Assim como acontece em Santiago espero um dia te encontrar no nosso destino final, com brilho nos olhos e sorriso no rosto :)

Caminho de Santiago de Compostela
Caminho de Santiago de Compostela


Caminho de Santiago de Compostela
Caminho de Santiago de Compostela


Imagens: arquivo pessoal





12 de mar de 2013

Parabéns Recife e Olinda


Hoje é o aniversário das cidades irmãs Recife e Olinda. A primeira completa 476 anos e a segunda chega aos seus 478 anos. Ambas enfrentam os problemas das grandes cidades, mas também têm seus atributos que encantam moradores e turistas.

Sou pernambucana e como admiradora da nossa cultura eu optei por admirar o BRASIL nos seus aspectos positivos ignorando e repudiando TODO tipo de preconceito e rivalidade.

Quem me dera conhecer cada cantinho desse país, ouvir cada sotaque arrastado, cantarolado ou amatutado. Sentir frio do sul e o calor do norte.

Quem me dera sentir o calor humano por cada cidade em que eu passasse e em troca apresentar minha terrinha de calor escaldante, explicar o dicionário “nordestinês” de nossa gente, me despedir com um cheiro e com meu sotaque dizendo oxente.

Parabéns às aniversariantes Recife e Olinda e outras mais:

Boa Viagem - Recife/PE
Calhetas - Cabo Stº Agostinho/PE


Porto de Galinhas - Ipojuca/PE
Muro Alto - Ipojuca/PE

Olinda/PE
Catuama - Goiana/PE
Ilha de Itamaracá/PE
Ateliê Francisco Brennand - Recife/PE


Fotos: Arquivo pessoal de Sandra Barbosa