MOSAICOS DE UMA VIDA

Juntando cada peça forma-se o mosaico de minha vida. Tantos sentimentos me envolvem. Sentimentos ruins, outros bons. Saudade de quem se foi para eternidade. Saudade de quem posso ligar para ouvir a voz. Tristeza pelas metas não cumpridas e alegria pelos objetivos alcançados. Gemidos de dor, outros de prazer.

31 de dez de 2011

Um dia para o outro - Por Adauto Júnior

Lembre que os paradigmas devem dar lugar a outras convicções na hora certa. Os sonhos precisam de ação, o lugar comum deve ser mexido de vez em quando pela inquietação dos seus pensamentos. Pensar faz parte do planejamento. Execute todo pensamento que valha a pena. Depois esqueça, viva. Os melhores projetos precisam de tempo para acontecer. O primeiro dia de 2012 é amanhã, comece a pensar assim todos os dias, você vai perceber que todo ano novo é o resultado das suas atitudes de um dia para o outro,todos os dias sempre. Feliz um dia para o outro.

Adauto Júnior
Dez/2011

3 de dez de 2011

Idade da Loba

Os bordões das idades de tão habituais afastam-se dos seus reais significados. Dei-me conta disso quando lembrei que no próximo ano farei 40 anos, embora alguns acreditem que não cheguei aos 30. Quando a ficha caiu tomei um susto e fiz uma retrospectiva de algumas fases, particularmente no que se refere às “idades mutantes”.

Aos 15 anos me disseram que eu estava “debutando”, ou seja, mudando para uma nova fase, na qual passaria a ser vista como uma moça me preparando pra ser mulher.

Quando cheguei aos meus 25 anos notei quantas diferenças surgiram em 10 anos. O bordão da vez era um tal de “tiro na macaca”. Pelo menos na minha região usa-se a expressão para mulheres que chegaram aos 25 sem ter casado. Em nem ligava para a brincadeira e até brincava dizendo que por mim daria tiro no zoológico inteiro.

Pois bem, mais alguns anos passaram; é chegada a hora da “mulher balzaquiana”: Completei 30 anos! O Borjão originou-se do romance intitulado A Mulher de 30 do Francês Honoré de Balzac que falava sobre a maturidade da mulher ao chegar nesta idade.

Alguns anos passaram, deixei de dar tiro na macaca os 33 anos quando casei. E agora outro bordão bate a porta da minha vida: “A idade da loba”. Usado para as mulheres de 40 anos, surgiu para definir o perfil de uma nova mulher, fruto de lutas feministas e liberação sexual. 

Do primeiro bordão que surgiu na minha vida ao próximo - já está ali no futuro não muito distante – mudanças infinitas podem ser notadas. Fisicamente falando aumentei alguns números de manequim, a mudança mais relevante trata-se do meu EU interior. Meus medos são outros, os anteriores eu já chutei pra longe. Meus anseios ficaram mais sofisticados porque os anteriores praticamente todos foram realizados e se não foram é porque deixaram de ser desejados. 

Enfim, a porta está entreaberta aguardando a Idade da Loba


Ser Lobo ou ser Caça?

Por questões naturais homens e mulheres têm necessidades, desejos, anseios e poder de auto-preservação, mesmo que para defender-se use o poder da destruição, lute, modifique, combata, liberte, torne-se egocêntrico.

Não foi à toa que Thomas Hobbes afirmou que o homem é o lobo do próprio homem. Há quem vá mais além e faça como diz a “Língua” de Caetano Veloso: torna-se o lobo do lobo do homem.

Infelizmente a violência contemporânea só nos mostra o quanto tais frases são verdadeiras. E a nós só resta sermos lobos evitando sermos caça.


1 de dez de 2011

Falha Nossa


De uns meses pra cá comecei a me incomodar com a forma em que as notícias têm sido divulgadas pelos jornais; mais precisamente as versões digitais. Algumas falhas me deixam intrigada quanto à veracidade do fato e ainda mais, me deixam também desconfiada do grau de conhecimento geral do profissional que passa as notícias. Para ser mais clara citarei algumas pérolas que me motivaram a escrever esse texto:

1-      Delegacia da Mulher implantada na Zona da Mata: quando você vai ler percebe que o município citado é no Agreste.
2-      Aberta inscrição para cursos: a matéria fazia referência ao título, porém a foto se referia a um acidente de carro.
3-      Acidente de carro com vítima fatal: uma fonte diz que o carro é preto, outro diz que é prata.
4-      Homem esfaqueia mulheres: uma fonte cita bar como cenário da tragédia e afirma óbito de uma mulher; outra fonte discorre que foi em lanchonete e que não houve vítima fatal.
5-      Chamada para assunto importante publicada em rede social: ao clicar aparece “página não encontrada” ou pede senha como se todos da rede fossem assinantes do jornal.

Entendo que diante de um mundo globalizado as notícias circulam praticamente em tempo real, seja através da TV, Rádio ou Internet por meio dos jornais e diversas redes sociais. E por causa disso não há tempo para revisão? Essas falhas me fazem lembrar a técnica de dinâmica de grupo denominada “telefone sem fio”, onde a mensagem circula e chega distorcida ao destino final.

Alguns podem defender com o famoso “errar é humano”. Concordo, mas é humano também evitar repetir os erros. Se não me importasse com a fonte que me informa bastava me limitar às redes sociais e não aos respeitados jornais de grande circulação. Mais importante do que apressar para dar a notícia em primeira mão é passar a notícia com o máximo de precisão.