MOSAICOS DE UMA VIDA

Juntando cada peça forma-se o mosaico de minha vida. Tantos sentimentos me envolvem. Sentimentos ruins, outros bons. Saudade de quem se foi para eternidade. Saudade de quem posso ligar para ouvir a voz. Tristeza pelas metas não cumpridas e alegria pelos objetivos alcançados. Gemidos de dor, outros de prazer.

28 de abr de 2013

Que paixão é essa?


Aprendi na escola da vida que família é sinônimo de afeto, carinho, proteção, união, respeito. Depois aprendi teoricamente que família é uma instituição social e que educar é uma das suas funções. Felizmente na minha casa cumprimos nosso papel pondo em prática o que a teoria um dia iria me revelar.

Infelizmente não foi assim com todas as famílias e por isso continuo me deparando com realidades que chocam me fazendo pensar até que ponto as famílias estão cumprido seu papel social. O motivo desse texto foi a ação bárbara, cruel e desumana do homem que queimou com ferro elétrico o rosto de sua companheira. Fiquei impactada com o fato.

O indivíduo tem ciúmes da esposa e ainda se sentia inferior, uma vez que estava desempregado e ela teria sido promovida no emprego. Que paixão é essa que maltrata, machuca e muitas vezes até mata? Que amor é esse que não o deixou feliz com o sucesso dela? Será que a ação violenta vem como resultado de amor, paixão, carinho, proteção, união, respeito? NÃO, esse ato monstruoso pode ter origem na educação familiar ou nas mensagens impostas socialmente. Mensagens que colocam o homem com autoridade sobre a mulher e esta por sua vez acredita no seu papel de submissão.

Torcendo para que  justiça seja feita!


6 comentários:

  1. Não é paixão. As pessoas ainda justificam seus delitos em qualquer coisa, menos nelas mesmas!

    ResponderExcluir
  2. Ridículo essa situação. Homem que bate em mulher é um ser tão inferior que é de dar pena, é um coitado nessa vida, um inútil que desconta seus insucessos naquela que acha que ama.

    ResponderExcluir
  3. Fafá, essa semana li um livro excelente... foi escrito por uma psiquiatra (Dra. Ana Beatriz Barbosa Silva), mas tem uma linguagem acessível (foi até criticado por isso!). MENTES PERIGOSAS - O psicopata mora ao lado. Tem muito a ver com seu texto. Olha o resumo:

    "Quando pensamos em psicopatia, logo nos vem à mente um sujeito com cara de mau, truculento, de aparência descuidada, pinta de assassino e desvios comportamentais tão óbvios que poderíamos reconhecê-lo sem pestanejar. Isso é um grande equívoco! Para os desavisados, reconhecê-los não é uma tarefa tão fácil quanto se imagina. Os psicopatas enganam e representam muitíssimo bem! Seus talentos teatrais e seu poder de convencimento são tão impressionantes que chegam a usar as pessoas com a única intenção de atingir seus sórdidos objetivos. Tudo isso sem qualquer aviso prévio, em grande estilo, doa a quem doer. Este livro discorre sobre pessoas frias, insensíveis, manipuladoras, perversas, transgressoras de regras sociais, impiedosas, imorais, sem consciência e desprovidas de sentimento de compaixão, culpa ou remorso. Esses “predadores sociais” com aparência humana estão por aí, misturados conosco, incógnitos, infiltrados em todos os setores sociais. São homens, mulheres, de qualquer raça, credo ou nível social. Trabalham, estudam, fazem carreiras, se casam, têm filhos, mas definitivamente não são como a maioria das pessoas: aquelas a quem chamaríamos de “pessoas do bem”.Em casos extremos, os psicopatas matam a sangue-frio, com requintes de crueldade, sem medo e sem arrependimento. Porém, o que a sociedade desconhece é que os psicopatas, em sua grande maioria, não são assassinos e vivem como se fossem pessoas comuns. Eles podem arruinar empresas e famílias, provocar intrigas, destruir sonhos, mas não matam. E, exatamente por isso, permanecem por muito tempo ou até uma vida inteira sem serem descobertos ou diagnosticados. Por serem charmosos, eloquentes, “inteligentes”, envolventes e sedutores, não costumam levantar a menor suspeita de quem realmente são. Podemos encontrá-los disfarçados de religiosos, bons políticos, bons amantes, bons amigos. Visam apenas o benefício próprio, almejam o poder e o status, engordam ilicitamente suas contas bancárias, são mentirosos contumazes, parasitas, chefes tiranos, pedófilos, líderes natos da maldade. A realidade é contundente e cruel, entretanto, o mais impactante é que a maioria esmagadora está do lado de fora das grades, convivendo diariamente com todos nós. Transitam tranquilamente pelas ruas, cruzam nossos caminhos, frequentam as mesmas festas, dividem o mesmo teto, dormem na mesma cama..."

    O livro mostra que só existe uma forma de evitar esses monstros: reconhecendo-os, e mantendo-os longe de nós. Esse é um livro de utilidade pública.

    Excelente questão a levantar amiga, parabéns!
    Beijo.
    Catarina.

    ResponderExcluir
  4. Meninas, obrigada pelos comentários.
    Catarina, não posso ficar sem ler esse livr ;)

    cheiros

    ResponderExcluir
  5. Fá, as pessoas agem brutalmente em nome do "amor", pois estão confundindo amor ao próximo com AMOR PRÓPRIO acima de tudo. Não é um caso de submissão feminina e sim de covardia. SIMONE PIRES

    ResponderExcluir
  6. Muito bom! E isso é a mais pura realidade.
    Com certeza precisamos de mais amor, sem dúvidas. As pessoas estão se esquecendo do respeito, mais elas e menos o próximo, e esquecem que respeitando o alheio a "coisa" voltará melhor para si.
    Vamos esperar para ver se melhora tudo isso.

    ResponderExcluir